Geadas impõem mais dificuldades ao mercado de reposição, apontam analistas

Áreas de pastagens nas porções sul e sudoeste do País foram prejudicadas. Apesar disso, a tendência é que o mercado de reposição continue firme

As fortes geadas dos últimos dias não só derrubaram a produção de milho em diversas áreas nas regiões Sul, Sudeste e sul do Centro-Oeste, mas também as pastagens.

Inúmeros produtores reportaram perdas do pasto. Assim como a queda da temperatura, esfriou ainda mais o mercado de reposição.

Foto: DBO

“Quem que vai querer comprar reposição agora? E para botar onde?”, pergunta a médica veterinária e economista, Lygia Pimentel, da Agrifatto, consultoria de mercado agropecuário de São Paulo (SP).

Lygia e o economista Daniel Latorraca, superintendente do Instituo Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea), foram os convidados do DBO Entrevista que foi ao ar na terça-feira (20). O programa debateu as tendências para o mercado de bezerros até o final do ano e que se pode esperar de 2022.

VEJA TAMBÉM | De Olho no Campo: Geadas castigam as pastagens e provocam prejuízos

Para os analistas, apesar da queda de preços atual – cerca de 2%, de meados de maio para julho, e as perdas de pasto, por conta das geadas, a tendência é que o mercado de reposição ainda continue firme.

Foto: Divulgação/Imea

“Os preços de reposição, apesar da redução, também se mantêm no patamar muito elevado. Se levar em conta os últimos 12 meses, a variação chega a 83%, demonstrando realmente que a gente vive o cenário ainda de escassez de animais para reposição”, avalia Daniel.

Movimento normal

A queda de preços dos animais averiguada nos últimos dias, então, não refletem uma tendência, e, sim apenas um movimento normal com a chegada da seca, a piora nas pastagens, que foi agravada ainda mais com a incidência de geadas.

“Essa inviabilidade da passagem momentânea acaba causando uma oferta maior de animais, e os preços acabam perdendo esse suporte”, diz Lygia.

Os preços só devem cair mesmo a partir de 2022 e 2023, quando começa a se perceber um maior volume de animais de reposição sendo ofertados no mercado.

SAIBA MAIS | “Está em curso o maior acúmulo de bezerros da história nos próximos anos no País”, aponta Mendonça de Barros

“A gente acredita que em 2022 vai ter a maior produção de bezerros desde 2016. Então fica aí acende-se uma luz amarela para o criador, sobre o que ele fará da vida daqui para frente”, diz Lygia.

Coisas para ficar atento em 2021

  • Retenção de fêmeas ainda segue firme;
  • É esperado um freio do consumo externo;
  • Recuperação do mercado interno;
  • Pressão dos custos ainda em alta.

Perfil da pecuária mato-grossense

Para o superintendente do Imea, a atividade pecuária no Estado está bem dividida. De um lado, a pecuária de cria se vê pressionada com o processo natural do avanço da agricultura sobre as áreas de pastagens, e do outro um grande avanço da engorda intensiva de gado, cada vez mais ao lado da produção de grãos.

Região médio-norte mato-grossense deve terminar cerca de 170 mil animais este ano (Foto: Divulgação/LFPEC)

Segundo o economista, apesar da queda de 20% do número de animais confinados no Estado como um todo – saindo de 759 mil animais, no ano passado, para 606 mil bovinos, este ano, a região do médio-norte, cortada pela BR 163, deve crescer o número de animais confinados, somando

“A região está crescendo 116% em relação ao que fechou no mesmo período no ano passado, com cerca de 170 mil cabeças. Uma região que a gente brinca que não tem 1 hectare de pasto sequer”, diz Daniel.

Assista na íntegra a entrevista:

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Revista DBO | Monta curta acelera produtividade

CONFIRA os destaques da edição de setembro da Revista DBO e o ‘Especial Genética e Reprodução’; na capa, veja como duas fazendas de ciclo completo se tornaram modelo de ‘fábrica ideal de produção de bois’

Revista DBO | Monta curta acelera produtividade

CONFIRA os destaques da edição de setembro da Revista DBO e o ‘Especial Genética e Reprodução’; na capa, veja como duas fazendas de ciclo completo se tornaram modelo de ‘fábrica ideal de produção de bois’

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.