Gerenciando o crescimento da produção e da renda

Marcelo de Rezende critica a estrutura exageradamente grande para uma produção diminuta de boa parte das fazendas de leite

 

 

Por Marcelo de Rezende

A organização do processo produtivo na fazenda leiteira, através da manipulação adequada dos fatores de produção envolvidos com a atividade (terra, capital, trabalho e conhecimento aplicado), permite que um determinado potencial de produção seja alcançado, de maneira que viabilize economicamente o negócio em questão. A correta exploração de tais fatores nos direciona naturalmente rumo à chamada economia de escala, que nesse caso objetiva um aumento na quantidade de leite produzido sem um aumento proporcional nos custos de produção da atividade, isso graças à diluição de custos frente a um novo patamar de produção alcançado. Por essa lógica, quanto maior o volume de leite produzido, melhores deveriam ser os resultados econômicos obtidos com a produção.

Essa, porém, não tem sido a realidade de um grande número de propriedades leiteiras, que investem, crescem e ainda assim não obtêm o resultado financeiro esperado com a atividade. O primeiro ponto a ser considerado na avaliação desses casos se relaciona ao tipo de investimento realizado. Investimentos não produtivos, ou seja, aqueles que não promovem impacto direto sobre o aumento da renda gerada com a atividade – e que normalmente são realizados em estruturas e equipamentos mal dimensionados, inadequados e de alto valor -, acabam por encarecer o sistema de produção, ainda que de alguma maneira venham a facilitar o trabalho ou melhorar a estética do negócio.

Investimentos estruturais deveriam ser realizados a reboque do aumento da produção, no momento em que o produtor percebesse o risco de estrangulamento da estrutura produtiva já existente, de maneira a evitar gargalos que pudessem impedir a expansão do seu negócio. Mas não é isso o que ocorre na prática. O que se vê em grande parte das fazendas brasileiras é uma estrutura exageradamente grande frente a uma produção diminuta; prova disso é o fato de diversos levantamentos realizados em fazendas produtoras de leite mostrarem investimentos de mais de R$ 3.500 para a produção diária de cada litro de leite na fazenda. Esse índice, que nos permite relacionar estrutura com produção, é obtido a partir da divisão do capital total investido na atividade (soma de investimentos em terra, rebanho, máquinas, equipamentos e instalações) pela produção diária da fazenda. Valores de investimento/litro de leite produzido quando superiores a R$ 1.500 normalmente indicam excesso de capital investido frente a uma produção escassa, ou seja, muita estrutura para pouco leite.

Eficiência

Quando o crescimento da produção não está atrelado a ganhos de eficiência no processo produtivo, e sim ao simples aumento da estrutura de produção, não são obtidos os resultados econômicos esperados pelo maior volume de leite produzido. O aumento da renda gerada na fazenda leiteira se relaciona a investimentos que melhorem o desempenho animal, principalmente aqueles vinculados a alimentação e manejo do rebanho, que se traduzem em maior produção e melhor reprodução dos animais, aspectos oriundos não da disponibilidade de capital, mas da gestão diária e eficiente da atividade, aspectos esses constantemente negligenciados em nossas fazendas de leite.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on skype
Skype
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on email
Email
Share on pocket
Pocket

Conteúdo relacionado:

Sobre o autor

Menu

[banner-link-364-x-134-home-geral1]

[banner-link-364-x-134-home-geral2]

[banner-link-364-x-134-home-geral3]

Fechar Menu
Do NOT follow this link or you will be banned from the site!
×
×

Carrinho