Gestão eficiente da alimentação animal pode diminuir custos

Saúde financeira das propriedades leiteiras está intrinsecamente ligada ao binômio custo-receita
Foto: Cepea

Por Ivan Barreto

A saúde financeira das propriedades leiteiras está intrinsecamente ligada ao binômio custo-receita. O principal componente da receita é o valor do litro de leite, que é definido pelo mercado. Assim, cabe ao produtor conhecer e gerenciar o custo de produção para garantir a viabilidade da atividade. A alimentação do rebanho, por sua vez, é um ponto crítico para essa questão, na medida em que influencia tanto o custo – nas propriedades com indicadores equilibrados, esse é o item de maior participação nos desembolsos – quanto a receita, tendo em vista que a produção de leite é diretamente influenciada pela nutrição animal.

Continue a leitura após o anúncio

A alimentação animal envolve custos com suplementação mineral, concentrado, produção de silagem, forrageiras anuais e manutenção de pastagens perenes. Dentre as 16 regiões visitadas pelo projeto Campo Futuro em 2018, parceria entre o Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, e a CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária), nos estados de Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná e Rio Grande do Sul, o concentrado e silagem são os itens com maior impacto sobre os custos com alimentação animal, representando, respectivamente, 60% e 18%, do total dos gastos.

Em propriedades com indicadores equilibrados, a alimentação do rebanho é o item com maior participação no Custo Operacional Efetivo (COE), equivalendo a cerca de 50% da receita da atividade. Como o concentrado, por sua vez, é o insumo com maior representatividade no custo com alimentação animal, algumas estratégias podem ser adotadas para melhorar a eficiência do uso desse ingrediente.

A primeira estratégia diz respeito à racionalização do fornecimento de concentrado ao rebanho, por meio da separação em lotes. Com os animais de recria devidamente agrupados em função da idade e as vacas em função dos respectivos dias em lactação, cada grupo receberia alimento de acordo com suas exigências, potencializando a produção de leite.

As fazendas típicas de Castro, PR, e de Uberlândia, MG, são exemplos de propriedades com bom desempenho técnico que seguem essa estratégia. Nestas regiões, cada categoria animal recebe alimentação equilibrada, com concentrado específico e na quantidade adequada, sendo este um fator que favorece as excelentes produtividades, de 22.060 L/ha/ano em Castro e de 16.591 L/ha/ano em Uberlândia. Além disso, há equilíbrio na composição dos custos, com a alimentação equivalente a 54% da receita da atividade em ambas propriedades.

A segunda estratégia diz respeito ao momento ótimo para adquirir o concentrado. Os preços deste insumo têm variações semelhantes às do milho, visto que este cereal é o principal ingrediente da ração. A partir dessa premissa, conclui-se que o período seguinte ao da colheita é o ideal para concentrar as aquisições dos estoques de ração, respeitando as limitações financeiras e de armazenamento das propriedades.

Como a alimentação é um dos principais componentes do custo de uma propriedade leiteira e que influencia a receita, cabe ao produtor adotar estratégias que garantam a eficiência desse item, visando o equilíbrio dos custos da atividade. Dessa forma, dá-se um passo importante rumo à eficiência financeira da propriedade, confluindo em margens brutas atrativas, conforme observado pelo projeto Campo Futuro em Castro (R$ 6.339,79/ha) e em Uberlândia (R$ 4.369,85/ha).

 

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Conteúdo original Revista DBO