Gir Leiteiro: EPAMIG vai testar desempenho de animais em diferentes pastagens

Projeto vai avaliar produção de leite, ganho de peso na fase de recria e comportamento ingestivo

A Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG) vai avaliar a produção de leite e o comportamento ingestivo de bovinos da raça Gir Leiteiro manejados em pastagem de capins Panicum.

As cultivares provenientes desse gênero são consideradas as plantas forrageiras mais importantes para a produção de bovinos em regiões de clima tropical e subtropical para sistemas de produção intensificados.

O nome pode não parecer familiar, mas os capins do gênero Panicum são conhecidos como Colonião, Tanzânia, Mombaça, Aruana, Massai entre outros.

No Brasil, o interesse por capins Panicum para formação de pastagens tem crescido nos últimos anos devido ao potencial de produção de matéria seca por unidade de área e a qualidade nutricional das forrageiras.

Segundo o pesquisador da EPAMIG, Leonardo Fernandes, as cultivares de capins Panicum são, de fato, mais produtivas e nutritivas. Contudo, o pesquisador destaca que essas cultivares são mais exigentes com relação à fertilidade do solo e à reposição de nutrientes em comparação com capins do gênero Brachiaria, responsáveis por boa parte das pastagens brasileiras.

“Quando avaliamos a produtividade de sistemas de produção, uma série de trabalhos já publicados comprova que o ganho de peso e a produção de leite de animais sob pastos de capins Panicum são maiores em função da melhor qualidade deles. Uma vez que vamos realizar experimentos em áreas intensificadas, isto é, com correções e adubações de solo para manter taxas de lotação mais altas, vamos precisar de capins de maior produtividade, com melhores respostas aos fertilizantes. Por isso optamos pelos capins Panicum”, explica o pesquisador.

Vacas Gir Leiteiro em lactação – Parte da pesquisa da EPAMIG será dedicada para análises da produção e da composição química da forragem e do desempenho de vacas Gir Leiteiro em período de lactação manejadas em pastagens de capins Panicum das cultivares Tanzânia, BRS Zuri e BRS Quênia.

Os trabalhos já estão sendo desenvolvidos no Campo Experimental da EPAMIG de Uberaba, no Triângulo mineiro. Os experimentos serão conduzidos por três anos consecutivos, com término previsto para dezembro de 2023. A troca do lote de bovinos será realizada a cada ano de trabalho.

VEJA TAMBÉM | Governo de Mato Grosso abre edital visando fomentar a cadeia produtiva do leite

De acordo com Leonardo Fernandes, nessa parte da pesquisa serão utilizadas 27 vacas em início de lactação, com peso, número de lactações e produção semelhantes. As vacas serão ordenhadas duas vezes ao dia, por meio de ordenha mecânica.

“As avaliações de desempenho das vacas serão obtidas pela produção diária de leite, condição corporal das vacas, contagem de células somáticas (CCS), sólidos totais do leite (gordura, proteína, lactose e minerais), comportamento ingestivo, consumo de matéria seca e custo de produção de leite de vacas em lactação manejadas em pastagem das três cultivares de Panicum”, detalha Leonardo.

O pesquisador explica que, nessa parte da pesquisa, o capim Tanzânia será utilizado como referência (testemunha) para as cultivares Zuri e Quênia por ser um capim já consagrado no mercado.

Juntas, as três cultivares também serão avaliadas com relação à produção, qualidade da matéria seca disponível, altura, densidade, crescimento, acúmulo de forragem e resíduos pós-pastejo.

“O diferencial aqui é utilizar duas cultivares lançadas recentemente, a Zuri e a Quênia, e testá-las em campo no trato com as vacas em lactação. Estas informações não existem para vacas em lactação, resultando em importantes informações para o produtor de leite. Essas cultivares são integrantes do Programa de Melhoramento de Forrageiras da Embrapa”, pontua Leonardo que almeja constatar altos índices de produção de leite.

Bezerras – A outra parte da pesquisa, também realizada no município de Uberaba (MG), vai analisar a produção, a composição química e o desempenho de bezerras da raça Gir Leiteiro manejados em pastagens de Panicum da cultivar BRS Tamani, com e sem suplementação concentrada.

O objetivo final será determinar o custo da novilha ao primeiro parto produzida nas diferentes situações de manejo.

Para esses experimentos, serão utilizadas 36 bezerras com um ano de idade e peso inicial de 180 quilos. As avaliações de desempenho das bezerras serão obtidas pelo ganho de peso diário, ganho de peso por área, comportamento ingestivo e pelo custo de produção da arroba.

SAIBA MAIS | Vaca brava emite mais metano e produz menos leite

Leonardo Fernandes conta que, segundo informações do Programa de Melhoramento de Forrageiras da Embrapa, a cultivar BRS Tamani possui alta qualidade, muitas folhas, pouco caule e porte mais baixo, melhor para pastejo de fêmeas em recria.

Além disso, o capim BRS Tamani é altamente nutritivo e possui boa capacidade de produção, o que tende a gerar bom ganho de peso e a reduzir a utilização de alimentos concentrados que encarecem os custos de produção dos animais.

“A pesquisa com as bezerras Gir Leiteiro é inovadora porque, ainda, ninguém trabalhou com a BRS Tamani em recria de fêmeas. Nós almejamos recrias de bezerras mais curtas e, consequentemente, com custos menores”, conclui Leonardo.

Assim como o trabalho com vacas em lactação, os experimentos com bezerras estão previstos para terminar em dezembro de 2023.

Os projetos são desenvolvidos em parceria e com financiamento da Embrapa, e com financiamento da Associação para o Fomento à Pesquisa de Melhoramento de Forrageiras (Unipasto), da Fertigram.

Ao longo dos trabalhos, a EPAMIG vai divulgar resultados preliminares em seus canais de notícias. A empresa é uma vinculada à Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais (Seapa).

Fonte: Ascom EPAMIG

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Revista DBO | Ele quer todo gado na sombra

VEJA os destaques da edição de maio e o Especial Instalações e Equipamentos; na capa, a Agropastoril Campanelli investe em cobertura metálica dos currais e comprova ganho de mais de meia arroba por animal engordado na sombra

Revista DBO | Ele quer todo gado na sombra

VEJA os destaques da edição de maio e o Especial Instalações e Equipamentos; na capa, a Agropastoril Campanelli investe em cobertura metálica dos currais e comprova ganho de mais de meia arroba por animal engordado na sombra

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.