Girolando: sumário de touros incorpora 15 novas características

Entre as novidades, está a tolerância ao estresse térmico (Índice de eficiência tropical), o que torna a raça Girolando a única no país a contar com essa característica

O Programa de Melhoramento Genético da Raça Girolando (PMGG) lançou neste mês o seu mais recente sumário de touros com base no resultado do teste de progênie.

O documento incorpora ao Programa 15 novas características que auxiliam produtores de leite a escolher a melhor opção para promover o progresso genético dos rebanhos.

Entre as novidades, está a tolerância ao estresse térmico (Índice de eficiência tropical), o que torna a raça Girolando a única no país a contar com essa característica.

O novo sumário, que apresenta a lista dos touros com a melhor genética da raça, incorpora os seguintes itens:

– Índice de produção;

– Índice de persistência na lactação;

– Índice de reprodução: período de gestação;

– Índice de facilidade de parto: peso ao nascer;

– Composto do sistema mamário: inserção de úbere anterior, altura de úbere anterior, largura de úbere posterior, ligamento central, comprimento de tetos e colocação de tetos;

– Composto de sistema locomotor: pernas vistas por trás, pernas vista lateral, ângulo de casco e membros anteriores.

Desenvolvido pela Associação Brasileira dos Criadores de Girolando (Girolando), em parceria com a Embrapa Gado de Leite, o sumário tem como objetivo facilitar a tomada de decisão dos criadores.

Para o pesquisador Marcos Vinícius Barbosa da Silva, entre as características inéditas de maior destaque estão o Índice de eficiência tropical. “O estresse térmico em bovinos é um importante problema em países tropicais como o Brasil, que afeta principalmente bovinos de alta produção, reduzindo sua eficiência”, afirma Marcos Vinícius.

O pesquisador também chama a atenção para o Índices de persistência da lactação (ligada ao volume de produção de leite) e a facilidade de parto, que permitirá aos criadores optar por um reprodutor que gere bezerros menores, utilizando novilhas como matrizes.

Em relação às demais características adicionadas, Marcos Vinícius ressalta a persistência na lactação – um caráter diretamente ligado ao volume de produção de leite.

25 anos de melhoramento genético – O teste de progênie da raça Girolando teve início em 1997. Dez anos depois, foi implantado o Programa de Melhoramento Genético do Girolando (PMGG), o que permitiu não somente a interação com os programas já existentes na associação, como o Serviço de Registro Genealógico (SRG), o Teste de Progênie (TP) e o Serviço de Controle Leiteiro (SCL), mas também a criação do Sistema de Avaliação Linear do Girolando (SALG).

O PMGG tem como objetivos principais a identificação de indivíduos geneticamente superiores, a multiplicação genética de forma orientada, a avaliação genética de características economicamente importantes e a promoção da sustentabilidade da atividade leiteira.

Os resultados do PMGG têm sido impressionantes. A raça Girolando é a que mais cresce na produção de sêmen, no Brasil, chegando à marca de 920.848 doses produzidas no ano de 2021, o que representa um aumento de cerca de 10% em relação ao ano de 2020.

Outro dado importante a ser ressaltado é o crescente incremento na produção de leite das vacas Girolando. Considerando a produção de leite em até 305 dias, em 2000, a produção média alcançava 3.695 kg e, já em 2021, essa média aumentou para 6.032 kg, representando um aumento de 60% no período de 20 anos.

Devido a estes e a outros fatores, a raça Girolando vem ganhando cada vez mais reconhecimento nacional e internacional, tornando-se, desta forma, a preferida para produção de leite nas regiões tropicais.

No Brasil, a raça possui grande aceitação e cerca de 80% do leite produzido no país provêm de animais Girolando, sendo capazes de manter bom nível de produção em diferentes sistemas de manejo e de condições climáticas.

Compartilhe
WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
Email

Revista DBO | Na vanguarda ambiental

VEJA mais destaques da edição de julho; na capa, Liga do Araguaia entra no “mercado verde”. Alguns produtores já recebem de R$ 250 a R$ 370/ha/ano para manter excedente florestal de pé.

Revista DBO | Na vanguarda ambiental

VEJA mais destaques da edição de julho; na capa, Liga do Araguaia entra no “mercado verde”. Alguns produtores já recebem de R$ 250 a R$ 370/ha/ano para manter excedente florestal de pé.

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.