Menu
Menu

Glifosato gera terceira condenação à Bayer, de US$ 2 bi

Em comunicado, a Bayer afirmou que vai recorrer da decisão. Trata-se da terceira condenação imposta à companhia

A Bayer foi condenada por um júri da Califórnia, nos Estados Unidos, a pagar US$ 2,055 bilhões a um casal da Califórnia que afirma ter desenvolvido câncer por causa do herbicida Roundup, da Monsanto, adquirida pela empresa alemã. É a terceira derrota da Bayer na Justiça em casos desse tipo.

Alva e Alberta Pilliod, com idade na casa dos 70 anos, foram diagnosticados com a doença linfoma não Hodgkin após terem usado, por 35 anos, o Roundup em sua propriedade na área da Baía de São Francisco. Os dois, diagnosticados em um intervalo de quatro anos, em 2011 e 2015, estão em remissão.

Os advogados do casal apresentaram aos jurados estudos científicos em ratos, células e populações humanas que, segundo eles, mostram que o glifosato e o Roundup são carcinogênicos. Os advogados da Bayer responderam que centenas de estudos mostraram que o herbicida é seguro, citando a Agência de Proteção Ambiental (EPA) dos EUA, que aprovou o produto. No fim de abril, a EPA reafirmou a sua conclusão de que o glifosato é seguro quando usado conforme as instruções e que não causa câncer.

Em relação à saúde dos Pilliod, a multinacional apresentou diagnósticos prévios de câncer, históricos familiares da doença e também autoimunes que, segundo eles, elevaram o risco de o casal desenvolver linfoma não Hodgkin.

O veredicto acontece em um momento em que a Bayer enfrenta problemas com acionistas por causa da aquisição da Monsanto no ano passado, que expôs a Bayer a cerca de 13.400 processos ligando o Roundup a câncer. As outras duas derrotas contribuíram para a queda de mais de 30% nos preços das ações.

No mês passado, a maioria dos acionistas da Bayer se recusou a apoiar as ações da diretoria no último ano, indicando que investidores não têm confiança na forma como a empresa está sendo comandada.

Bayer diz que vai recorrer de condenação

Em comunicado, a Bayer afirmou que vai recorrer da decisão de um júri na Califórnia, nos EUA. “A Bayer está decepcionada com a decisão do júri e recorrerá do veredicto neste caso”, disse a empresa alemã, acrescentando que a decisão “está em conflito direto” com a revisão de registro da Agência de Proteção Ambiental (EPA) dos EUA divulgada no mês passado.

Nesta revisão, a Bayer informou que se chegou a um consenso entre os principais reguladores de saúde em todo o mundo de que os produtos à base de glifosato podem ser usados com segurança e que o ingrediente “não é carcinogênico”. A empresa baseia seus argumentos também em 40 anos de “extensas pesquisas científicas”.

O contraste entre o veredicto de hoje e a conclusão da EPA “não poderia ser mais forte”, segundo a Bayer. No fim de abril, a EPA reafirmou a sua conclusão de que o glifosato é seguro quando usado conforme as instruções e que não causa câncer.

A Bayer disse também que o casal norte-americano apresentou ao júri conclusões de uma fração minúscula do total de estudos disponíveis, e que eles utilizaram a conclusão da Agência Internacional de Pesquisa em Câncer, cujo estudo, de acordo com a EPA, foi menos robusto e menos transparente do que o da agência norte-americana.

A empresa afirma que sente “simpatia” pelo casal Pilliod, que alega ser vítima do Roundup, mas que as evidências mostram que ambos têm históricos de doenças que aumentam o risco de desenvolver o linfoma não Hodgkin.

A companhia disse ainda que a decisão de hoje não tem efeito nos julgamentos futuros: “Cada um tem suas circunstâncias factuais e legais”. Segundo a empresa, o litígio ainda levará um tempo para ser concluído.

No ano passado, a Bayer recorreu a uma decisão que condenou a empresa a pagar US$ 78,5 milhões ao ex-jardineiro Dewayne Johnson em agosto, o primeiro caso ligado ao Roundup a ser julgado.

A empresa disse que também recorrerá de uma segunda derrota, no qual um júri decidiu, em março, deste ano que a companhia deveria pagar mais de US$ 80 milhões a um residente da Califórnia, Edwin Hardeman.

Fonte: ESTADÃO CONTEÚDO

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on skype
Skype
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on email
Email
Share on tumblr
Tumblr
Share on print
Print

Veja também:

Produtores já estão testando novo modelo de produção de novilhas

A Agropecuária JBJ, de GO, e a Fazenda Rancho Fundo, do MS, suplementam as fêmeas desde bezerras para desafiá-las na IATF aos 13-14 meses.

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.

“Precocinhas” Nelore no confinamento

Os sistemas de produção de novilhas precoces também abrem caminho para a engorda dessas fêmeas para venda bonificada a programas de carne de qualidade.

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.

Novilhas Nelore sob holofotes

Elas são as novas estrelas da pecuária, graças aos avanços em precocidade com prenhez aos 13-14 meses, e valorização nos projetos de carne gourmet. Agora, elas também são objeto de pesquisa da Apta-Colina para o desenvolvimento de sistema específico de produção, a exemplo do programa do Boi 7-7-7.

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.

Café com frio

Especialista dá dicas de como evitar problemas com o frio no cafezal, cultura que gosta de “cabeça quente e pés frios”

SOBRE A MÍDIA DBO

A DBO Editores Associados, fundada em junho de 1982, sempre se caracterizou como empresa jornalística totalmente focada na agropecuária. Seu primeiro e principal título é a Revista DBO, publicação líder no segmento da pecuária de corte. O Portal DBO é uma plataforma digital com as principais notícias e conteúdo técnico dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da cobertura dos leilões de todo o Brasil.

ANUNCIE DBO

Acompanhe aqui o vídeo da edição mais recente da Revista DBO. Para ver os destaques das outras edições, basta clicar aqui.

ASSINE A REVISTA DBO

Revista DBO Ligue grátis: 0800 110618 (Segunda a sexta, das 08h00 às 18h00)

2018 DBO - Todos os direitos reservados

×
×

Carrinho