Governança pode impulsionar agronegócio brasileiro, por Luiz Marcatti

Confira o artigo do CEO da Mesa Corporate Governance, consultoria de governança corporativa e sucessão de empresas familiares, contratação de conselheiros e estruturação de conselhos de administração

São notórios o alto grau de desenvolvimento e a solidez do agronegócio brasileiro, que a cada dia mais se destaca pela enorme capacidade de produção de alimentos e biocombustíveis para consumo interno e exportação. Mesmo em momentos de crise aguda, o setor consegue criar verdadeiras ilhas de prosperidade no interior do País, áreas que chegam a rivalizar em ritmo de crescimento com as metrópoles. O agronegócio nacional alcançou esse lugar com muita experiência e conhecimento, mas ainda tem muito a ganhar se agregar às suas estratégias um ingrediente que em outros segmentos já é bastante comum: governança corporativa.

O fato de os produtores rurais precisarem equilibrar tantos pratos ao mesmo tempo — produtividade, tecnologia, logística, sustentabilidade, meio ambiente, normas sanitárias e políticas comerciais — evidencia a necessidade de adotarem ferramentas que os ajudem a administrar bem todas essas pontas, e as boas práticas de governança podem representar esses instrumentos. A governança corporativa pode ajudar o agro em organização societária, planejamento sucessório e gestão de riscos, entre outros pontos.

É amplo o campo para avanço da governança no setor. No imaginário popular, o agronegócio no Brasil ainda é restrito a grandes empresas e famílias tradicionais, donas de enormes áreas dedicadas à monocultura de commodities, como a soja, e à pecuária. Nada mais distante da realidade. O País tem hoje aproximadamente 5 milhões de propriedades rurais, dos quais aproximadamente 4,5 milhões são de pequeno ou médio portes — muitos deles ainda carentes de organização mínima em termos de boas práticas de governança.

E mesmo entre os produtores maiores existe essa lacuna. Como relatou Marcos Jank, coordenador do Centro Insper Agro Global e um dos maiores especialistas brasileiros no tema em evento do “Mesa ao Vivo” realizado em novembro, durante cursos e eventos no Centro-Oeste, por exemplo, é possível observar que ainda há os que não sabem como planejar uma mudança de geração no comando — e, mais grave, não são poucos os que misturam os negócios com o patrimônio pessoal, deixando bens em nome de um único dono ou de poucos familiares.

Quem está no agronegócio conhece bem os riscos naturais inerentes ao negócio, ligados ao clima e ao solo. Entretanto, tão ou mais importantes são os riscos de comercialização, administrativos e financeiros. Pode estar na governança a “massa” que liga esses dois campos, de modo a fortalecer o tripé formado por produtividade, risco e retorno do negócio.

Para mitigar os riscos não naturais, o empresário do campo precisa, por exemplo, formalizar as relações dentro da empresa com o estabelecimento de acordo societário, com o detalhamento de regras de poder e convivência entre os donos do negócio — assim como se faz em empresas de outros segmentos da economia, inclusive as de capital aberto. Em termos de gestão, fundamental preparar a geração seguinte, de forma que continuar no campo seja uma real opção de carreira, e não apenas o imperativo de uma relação parental.

Outro impulso à adoção dos pressupostos e práticas de governança no agronegócio brasileiro vem, como também destacou Jank, da pressão de investidores e consumidores. Num mundo em que se dá crescente importância a indicadores ESG (ambientais, sociais e de governança), é imprescindível que os produtores rurais e pecuaristas se estruturem para garantir padrões elevados de sustentabilidade, proteção ambiental e rastreabilidade de seus produtos, além de cuidado com os prestadores de serviços. E para isso também existem bons caminhos dentro da governança corporativa.

Nessa dinâmica, aumentar a produtividade com a ajuda de tecnologia já não basta: o diferencial está na responsabilidade da atividade agropecuária em termos ambientais e sociais. E também é necessário saber comunicar de maneira clara e precisa essa postura, de forma a gerar valor para o negócio. Trata-se de um cuidado com a reputação, processo que no Brasil ainda tem muito caminho a percorrer.

Um obstáculo importante para o agronegócio que pretenda se associar às boas práticas de governança está numa limitação fora do alcance do produtor. O Brasil tem o Código Florestal mais completo e exigente do mundo, mas essa legislação, aprovada no Congresso Nacional em 2012, ainda esbarra em ações judiciais para ser implementada nos Estados. Caso o governo não viabilize políticas públicas em prol da regularização fundiária e ambiental, dando aos produtores condições de criar um padrão de compliance condizente com a boa governança, a tendência é de que o setor continue no mesmo lugar nesse aspecto.

O cenário, no entanto, é muito favorável. O agronegócio brasileiro tem tudo para aprimorar sua capacidade de organização e visão estratégica, e para isso conta com canais já consolidados da governança corporativa. O setor tem plenas condições de se mostrar ao mundo como modelo de governança, referência em sustentabilidade e fiador da segurança alimentar global.

2742961

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no skype
Skype
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no pocket
Pocket

Sobre o autor

Notícias

Revista DBO: “Com resultados, é mais fácil falar de bem-estar animal”

No “Prosa Quente” da edição de abril, Fernanda Macitelli, uma das maiores etólogas do Brasil, garante que o bom manejo traz benefícios evidentes

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Você merece este e todo o rico conteúdo da Revista DBO.
Escolha agora o plano de assinatura que mais lhe convém.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Se já é assinante, entre com sua conta

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.

TV DBO