Importações de lácteos recuam em abril

Foi o primeiro mês do ano em que a compras externas foram menores do que em 2016

As importações de lácteos tiveram queda em abril. Segundo o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, o volume importado foi de 13.530 toneladas. Na comparação com o mês anterior, o recuo foi de 12,5%. Com relação aos gastos, a redução mensal foi de 8,5%, totalizando US$ 46,2 milhões no período.

O produto mais importado foi o leite em pó. No total foram 9.000 toneladas, que somaram US$ 31,2 milhões.

Os maiores fornecedores para o Brasil, em valor, foram o Uruguai, com 46,3%, a Argentina, com 40,9% e a Nova Zelândia com 3,8%.

Na comparação com igual período do ano passado (abril de 2016) a redução foi de 36,1% para o volume e 13,8% para os gastos. Foi o primeiro mês de 2017 que as importações ficaram menores na comparação mensal, tanto para o volume como para as despesas.

O cenário de recuperação da produção em algumas regiões do Brasil, como a região Sul, e as recentes valorizações dos lácteos no mercado internacional diminuíram a competitividade do produto importado frente ao nacional, o que colaborou para o cenário.

Em curto e médio prazos, o câmbio (alta do dólar em relação ao real) também deverá ter influência sobre as importações brasileiras.

Do lado das exportações de lácteos pelo Brasil, segundo o mesmo órgão, os embarques totalizaram US$ 4,2 milhões em abril. Na comparação com o mês anterior, o faturamento teve forte redução, de 61,6%.

O volume embarcado reduziu na mesma proporção. Passou de 4.620 toneladas em março para 1.610 toneladas em abril, queda de 65,2%.

O produto mais exportado foi o leite em pó, que somou 926,7 toneladas e US$ 1,9 milhão em faturamento.

Os principais compradores, em valor, foram os Emirados Árabes (15,7%), os Estados Unidos (10,6%) e Trinidad e Tobago (9,7%).

Na comparação com igual período do ano passado, o volume e o faturamento referentes às exportações brasileiras reduziram 36,3% e 10,2%, respectivamente.

A balança comercial brasileira de lácteos ficou negativa em abril, com déficit de US$ 42 milhões.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

As apostas são altas para o futuro da produção de carne no Brasil. Veja o que dizem as lideranças ouvidas para o Especial Perspectivas 2021 do Anuário DBO. Assista:

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.