Índia abre mercado para carne suína do Brasil

Segundo a ABPA, o setor brasileiro buscará preencher lacunas não ocupadas pelos produtores indianos
Foto: Pixabay

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, informou nesta terça-feira, 25, que a pasta recebeu hoje a informação de que a Índia abriu o mercado de carne suína e produtos cárneos de suínos para o Brasil. O principal exportador do produto para aquele país é a Bélgica, segundo ele.  “Agora, compete ao setor privado brasileiro atuar para que as exportações aconteçam e que o produto seja bem recebido pelos consumidores indianos”, informou o ministro em um breve comunicado.

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) divulgou comunicado no qual comemora a abertura do mercado indiano para a carne suína do Brasil. O presidente da ABPA, Francisco Turra, informou que as negociações entre brasileiros e indianos para tornar viáveis as exportações de carne suína estavam na pauta das relações comerciais dos dois países há, pelo menos, quatro anos, a partir de um pedido feito pela ABPA ao governo brasileiro.

“Se por um lado é uma vitória para o Brasil, por outro, é o reconhecimento da capacidade brasileira de ofertar produtos com excelência acerca da qualidade dos produtos e do preservado status sanitário, especialmente neste momento em que diversas nações produtoras sofrem com incontáveis focos de peste suína africana”, disse o presidente da ABPA no comunicado.

A agilidade nas tratativas ocorreu após visita do ministro Blairo Maggi à Índia. País com a segunda maior população mundial, com 1,3 bilhão de habitantes, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), e crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) acima de 6%, de acordo com o Banco Mundial, a Índia é um dos mais ambicionados mercados para o setor de proteína animal mundial, explicou Ricardo Santin, diretor-executivo da ABPA.

“Com uma renda per capita crescente, o país passa por um intenso processo de urbanização, o que gera a necessidade de oferta de produtos e uma natural migração do consumo, com maior presença de proteínas animais na composição da cesta de alimentos. Neste contexto, o setor brasileiro buscará preencher lacunas não ocupadas pelos produtores locais, como o food service para hotéis e outros nichos de mercado emergentes”, destacou Santin.

Fonte: ESTADÃO CONTEÚDO.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Sou pecuarista e esse frigorífico é meu

Leia a Revista DBO que encerra o ano de 2020. Ela conta a mais nova façanha da Cooperaliança, a primeira cooperativa a verticalizar a cadeia da carne bovina, além de trazer outras 25 reportagens e artigos.

Sou pecuarista e esse frigorífico é meu

Leia a Revista DBO que encerra o ano de 2020. Ela conta a mais nova façanha da Cooperaliança, a primeira cooperativa a verticalizar a cadeia da carne bovina, além de trazer outras 25 reportagens e artigos.

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.