Ingestão de pontas de arame da cerca pode causar doença

Renato Jaqueto: Mais frequente em bovinos, RPT tem sintomas variados
Foto: Belgo

A cerca em uma propriedade é essencial não só para delimitar espaços e manter os animais nas pastagens, mas também para ajudar a aumentar a produtividade por meio de divisões dessas pastagens em piquetes menores, resultando assim em pastejo mais homogêneo e de melhor aproveitamento pelos bovinos.

Caso não se tome os devidos cuidados, a construção de uma cerca pode causar grandes perdas ao produtor. Um dos principais males é o não recolhimento das pontas de arame que sobram durante a confecção dessas estruturas. O bovino, ao abocanhar o capim, pode levar para o trato digestivo uma dessas pontas de arame e causar um problema chamado Retículo Peritonite Traumática (RPT), que nada mais é que uma perfuração do trato digestivo por um corpo estranho, representado em sua maioria (76%) por ingestão de pontas de arame.

Continue a leitura após o anúncio

Outro fator de atenção é a deficiência alimentar de minerais, já que a baixa ingestão de ferro, cálcio, fósforo, zinco e/ou cobalto, favorece a ingestão de corpos estranhos, principalmente restos de arame, pregos, parafusos e outros objetos ricos nesses minerais. A RPT também pode acometer ovinos e caprinos, porém com frequência menor que nos bovinos, pois a ingestão é mais lenta e seletiva quando comparada com os bovinos.

Ao perfurar o retículo do animal, o corpo estranho leva a uma reação inflamatória localizada e aguda, que, dependendo do local da perfuração e profundidade, pode levar a sintomas variados.

Caso a perfuração seja menos profunda, a doença (RPT) será mais branda, levando o animal à perda de peso e, no caso de vacas leiteiras, à diminuição da produção – sinais clínicos em vacas leiteiras são menos perceptíveis, e muitas vezes não detectados. Já perfurações mais severas podem causar pericardites (perfuração da parede do coração) e pleurites (perfuração da parede do pulmão), podendo levar a uma septicemia e, consequentemente, a óbito do animal.

Caso haja suspeita de RPT, o pecuarista deve procurar um médico veterinário de confiança para que ele faça um exame mais detalhado. Geralmente, o tratamento é cirúrgico, com a retirada do corpo estranho. Porém, nos casos mais brandos apenas o tratamento clínico deve ser feito.

Para se evitar a RPT, a melhor forma é não deixar pontas de arames jogadas nos pastos, orientando o responsável pela construção da cerca a sempre recolher as pontas de arame e guarda-las em um local sem acesso para os animais. Evitar a proximidade dos animais em áreas em construção ou de terrenos com entulhos também é uma importante precaução.

Tomando essas medidas, a cerca continuará sendo uma das melhores ferramentas para aumentar a produtividade da propriedade, sem se tornar um problema

2742961

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no skype
Skype
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no pocket
Pocket

Sobre o autor

Notícias