Investimento em tecnologia pode elevar ganhos da cria em até 6 vezes, diz consultoria

Série histórica além de mostrar novo patamar de receita para a atividade, revela o novo perfil da pecuária brasileira

Há duas décadas, o pecuarista de cria, que não investia, registrava um ganho mínimo de R$ 5 por 1 hectare de terra. Hoje, este mesmo criador avesso a investimentos ganha R$ 506, no mesmo espaço de terra. Parece muito? Pois saiba que não. Porque o pecuarista que nos últimos 20 anos apostou na produção de uma safra high-tech de bezerros, hoje, ganha 6 vezes mais: R$ 3.045,65.

Os números são do mais recente estudo da consultoria de pecuária no País, a Athenagro, promotora do Rally da Pecuária. A pesquisa, coordenada pelo engenheiro agrônomo Maurício Palma Nogueira, diretor da Athenagro, levou em conta números reais de fazendas acompanhadas de 2001 até o início deste ano. E prova: vale a pena investir na cria. (Confira no gráfico abaixo)

 

Dentro do pacote tecnológico de investimentos que o produtor deveria apostar suas fichas estão a melhoria e a adubação de pastos, a integração lavoura-pecuária-floresta, protocolo sanitário completo, nutrição, genética, técnicas avançadas de reprodução e uma gestão afinada na propriedade. Para Nogueira, se, em média, a cria tinha o estigma de ser uma das atividades da pecuária que mais amargava margens pequenas, agora a realidade se inverteu. Claro, desde que esse produtor invista na atividade.

“O que se percebe é que vale a pena investir, sim. O Brasil possui até condições melhores, por conta das pastagens. Podemos intensificar muito e ainda sermos mais competitivos”, diz Nogueira.

Do prejuízo ao lucro

É fato que, antes de uma fazenda extremamente tecnológica chegar ao topo, em ganhos, provavelmente essa propriedade passou por períodos de prejuízo. É o que ocorre com a grande maioria delas. Como é o caso do exemplo mostrado no gráfico acima, de propriedades com produção de bezerros de 26 a 38 arrobas por hectare. No estudo, essa fazenda analisada teve um prejuízo médio de R$ 2.275,19, em 2004, por hectare. Segundo o especialista, isso se deveu a condições de mercado desfavoráveis, como uma superoferta de bezerros com preços em queda.

Pasto é o diferencial do Brasil e pode suportar ainda mais produtividade e, consequentemente, mais ganhos nas fazendas

Hoje, o cenário é outro. A oferta de boi magro está extremamente baixa, um dos sustentáculos da atual alta de preços do bezerro. De acordo com Nogueira, mesmo com o equilíbrio futuro da oferta, a tendência é de maiores ganhos porque este produtor mostrado no estudo, que investiu em tecnologia, ganhará em produtividade. E com um diferencial que nenhum país tem de sobra: o pasto.

“Por conta das pastagens o País consegue aumentar o número de fêmeas e, consequentemente, o número de bezerros. Se os Estados Unidos quisessem fazer isso, precisariam confinar as vacas e esse sistema só se justificaria se o valor da carne, lá, fosse muito mais alto”, explica Nogueira.

Para o agrônomo, que se especializou no comportamento da pecuária brasileira, uma coisa é certa: o movimento de tecnologia das fazendas indicam que a pecuária deixou de ser a atividade de segundo plano para se tornar a primeira. E a cria é parte dos ganhos dessa cadeia.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

As apostas são altas para o futuro da produção de carne no Brasil. Veja o que dizem as lideranças ouvidas para o Especial Perspectivas 2021 do Anuário DBO. Assista:

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.