Tereza Cristina sugere áreas de investimento no Brasil a japoneses

E a Ministra ainda convidou empresários japoneses a visitarem o interior do país para que conheçam as áreas de interesse para investimento

 

Continue a leitura após o anúncio

Matopiba, a região que compreende o bioma cerrado dos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia e responde por grande parte da produção brasileira de grãos e fibras, é uma das áreas no entendimento da Ministra com possibilidade de atuação conjunta. Claro, sem esquecer diante dos parceiros da Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica), Kazuhiko Koshikawa, e demais membros da organização, que a Jica é uma “parceira de longa data” do Brasil, citando o  Programa de Cooperação Nipo-Brasileira para o Desenvolvimento dos Cerrados (Prodecer), que tem mais de 40 anos de criação..

“Viemos reavivar essas relações de cooperação, amizade e parceria tecnológica com essa instituição que tanto já ajudou o Brasil e queremos que continue sendo nosso parceiro principal aqui no Japão”, disse a ministra.

A melhora no ambiente de negócios no Brasil foi um dos pontos levantados pelo vice-presidente da Jica. Ele lembrou parcerias com o país nas décadas de 1970 e 1980, como exploração de minérios em Carajás (PA) e o complexo Celulose Nipo-Brasileira (Cenibra), instalado em Minas Gerais. Kazuhiko Koshikawa demonstrou interesse em repetir grandes empreendimentos como esses no Brasil. E comprometeu-se em ajudar o Brasil a atrair investimentos japoneses para infraestrutura de transporte dos produtos agropecuários (ferrovias, rodovias e aeroportos). 

O passo seguinte foi a reunião com a Federação das Indústrias do Japão (Keidanren). A Ministra Tereza Cristina apresentou então os setores do agronegócio brasileiro com interesse em investimentos externos. “Há oportunidades ao longo de todas as cadeias produtivas do agronegócio: insumos, maquinários, produção, processamento, estocagem, distribuição e transporte. O aumento contínuo da produtividade no campo será realizado via implementação de processos inovadores de produção. As principais áreas de inovação que o Brasil busca investimentos externos são: conectividade nas áreas rurais, isso é importantíssimo, agricultura de precisão, rastreabilidade, mecanização agrícola de última geração e automatização”, ela disse.

“Além de uma potência agrícola, o Brasil é também uma potência ambiental” destacou a Ministra. E lembrou que  66% do território nacional são cobertos de vegetação nativa e que o Código Florestal determina ao agricultor conservar de 20% a 80% da vegetação nativa, dependendo do bioma. Outra medida destacada pela ministra é a Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (iPLF), que integra o Programa Agricultura de Baixo Carbono. Em 2016, disse, cerca de 12,6 milhões de hectares já adotavam a prática de iPLF.

“O Brasil se soma à comunidade internacional na sua preocupação com os efeitos da mudança do clima na agricultura e na segurança alimentar”, afirmou Tereza Cristina.

Empresários japoneses da Jica e Keidanrm tomaram conhecimento também das medidas adotadas pelo governo federal para melhoria do ambiente de negócios no país, entre elas a reforma da Previdência e a Medida Provisória da Liberdade Econômica, editada em abril, a reforma tributária, desburocratização e simplificação de processos. “Essas medidas devem tornar o Brasil um destino ainda mais atraente para investidores externos”, afirmou.

O embaixador do Brasil no Japão, Eduardo Saboia, destacou que mais da metade das importações de carne de frango do Japão são provenientes do Brasil, o que atesta a qualidade dos produtos, já que o mercado japonês é considerado um dos mais exigentes do mundo. “Dobrar a qualidade e segurança da produção, melhorar o ambiente de negócios para investidores nacionais e estrangeiros. Em menos de seis meses de atuação, o ministério teve resultados importantes em áreas como agricultura familiar, pesca e ampliação de zonas de febre aftosa sem vacinação”.

A missão brasileira ainda ouviu  várias perguntas sobre conjuntura  e oportunidades de negócios no país. O diretor da Keidanren, Takao Omae, ressaltou que o Brasil tem demonstrado interesse em se tornar mais competitivo na exportação de grãos e, para isso, pretende melhorar o escoamento da produção via portos. E lembrou que 80% da produção são escoadas via portos do Sul do Brasil, e que é preciso aumentar a participação dos portos localizados na Região Norte. Segundo ele, esse é um ponto de diálogo entre Japão e Brasil. 

A ministra convidou os empresários a visitarem o interior do Brasil e também conhecerem áreas em que possam investir.De acordo com a ministra, 46 projetos estão em andamento no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), sendo 35 no setor de transporte, somando quase US$ 27 bilhões. 

Portal DBO com informações do Mapa

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Conteúdo original Revista DBO