JBS é avaliada em ranking global de políticas ambientais

Empresa se destaca no setor de proteína do Ranking Forest 500, da britânica Global Canopy,que avaliou 350 empresas e 150 instituições financeiras

A JBS, maior empresa de proteína animal no Brasil e segunda no mundo, está classificada no Ranking Forest 500 como a empresa brasileira do setor de proteína que apresenta os menores riscos de vínculo com o desmatamento em suas operações.

O ranking é realizado pela organização ambiental britânica Global Canopy, com sede em Oxford. A instituição é um think thank que compila e analisa dados de empresas que atuam em cadeias de abastecimento com risco de desmatamento. Além de gado, entram no ranking óleo de palma, soja, madeira, papel e celulose. O objetivo é melhorar a transparência e a responsabilidade das cadeias de suprimentos globais.

O Ranking Forest 500 começou a ser publicado em 2014.  O objetivo é verificar se as companhias estão abordando os riscos de desmatamento por meio de suas políticas e o que estão fazendo para implementar seus compromissos de sustentabilidade. No escopo global, a JBS ficou entre as 40 mais bem colocadas entre as 500 empresas que compõe o ranking de 2020.  

Na semana passada (27/1), em uma live promovida pela Global Canopy para mostrar os dados do ranking, seu diretor executivo, Niki Mardas, disse que é preciso avançar nas questões ambientais e no compromisso das empresas. “As grandes companhias precisam trabalhar juntas”, afirmou.  De acordo com as últimas avaliações do Forest 500, quase metade das empresas e instituições financeiras mais influentes nas cadeias de suprimento de risco florestal ainda não estão fazendo o suficiente para acabar com o desmatamento nas cadeias de suprimento.  

O relatório deste ano  mostra  este índice em 43%. E que quatro, em cada cinco dos maiores investidores do mundo, incluindo o gigante BlackRock, não têm políticas de combate ao desmatamento. De acordo com a Global Canopy, US$ 2,7 trilhões de dólares de financiamento, realizados pelas empresas de alto risco ligadas a desflorestamento, vêm de instituições financeiras que não estabeleceram políticas de desmatamento. 

Fizeram parte do ranking Forest 500 um total de 350 companhias e 150 instituições financeiras.

“Esse resultado é mais um reconhecimento das boas práticas socioambientais empregadas pela JBS em seus processos produtivos. Além disso, demonstra que o nosso compromisso de produzir com qualidade, e de maneira cada vez mais sustentável, está sendo bem recebido globalmente”, afirma Márcio Nappo, diretor de Sustentabilidade da JBS. 

A Companhia figurou, ainda, entre as três empresas mais bem classificadas do Brasil, considerados todos os setores da economia.  “Todas essas validações nos motivam a seguir evoluindo em nossas práticas de sustentabilidade e servem como combustível para a nossa missão de liderar o setor pelo exemplo e expandir as boas práticas para além da nossa cadeia produtiva”, diz Nappo. 

No mês passado, a JBS foi novamente selecionada para fazer parte da carteira do Índice Carbono Eficiente (ICO2) da B3, que leva em conta o compromisso das empresas com a gestão das emissões de gases de efeito estufa.

 

 

 

 

 

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Revista DBO | Pasto inteligente

Veja os destaques da edição de novembro e o ‘Especial Pastagem’; na capa, a formação de pastos multigramíneas, visando oferecer mais capim nas águas e reduzir a escassez na seca, é o novo horizonte das pesquisas

Revista DBO | Pasto inteligente

Veja os destaques da edição de novembro e o ‘Especial Pastagem’; na capa, a formação de pastos multigramíneas, visando oferecer mais capim nas águas e reduzir a escassez na seca, é o novo horizonte das pesquisas

Publieditorial

Cromo: Mineral essencial para bovinos de corte

O cromo é um dos principais minerais utilizados na nutrição de bovinos de corte em todas as fases da vida produtiva, e é reconhecidamente essencial para o organismo dos animais e humanos há mais de 40 anos.

Cromo: Mineral essencial para bovinos de corte

O cromo é um dos principais minerais utilizados na nutrição de bovinos de corte em todas as fases da vida produtiva, e é reconhecidamente essencial para o organismo dos animais e humanos há mais de 40 anos.

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.