Lucro da General Mills aumenta 9,7% no 4º trimestre fiscal

Vendas líquidas orgânicas da companhia de alimentos aumentaram 16% na comparação com o quarto trimestre do ano fiscal anterior
Foto: Divulgação

A companhia de alimentos General Mills, dos Estados Unidos, obteve lucro líquido de US$ 625,7 milhões, ou US$ 1,02 por ação, em seu quarto trimestre fiscal, encerrado em 31 de maio, informou a empresa nesta quarta-feira. O resultado representa aumento de 9,7% ante igual período do ano fiscal anterior, quando obteve lucro líquido de US$ 570,2 milhões (US$ 0,94 por ação).

Em termos ajustados, o lucro foi de US$ 1,10 por ação. A receita no trimestre ficou em US$ 5,02 bilhões, 21% acima do obtido um ano antes de US$ 4,16 bilhões. Analistas consultados pela FactSet projetavam receita de US$ 4,99 bilhões e lucro ajustado de US$ 1,06 por ação.

Continue a leitura após o anúncio

Após a divulgação dos resultados financeiros, os papéis da companhia negociados em Nova York operavam em queda de 2,21% no pré-mercado, a US$ 60,29 por ação. O desempenho trimestral da General Mills foi impulsionado por uma demanda maior por seus produtos em meio à pandemia da Covid-19 e pela recessão econômica decorrente da pandemia, que leva ao recuo na procura por serviços de alimentação fora do lar.

Empresas de alimentos estão se esforçando para atender à maior demanda em muitos mercados, num momento em que consumidores se ajustam a medidas de distanciamento social que resultaram no fechamento de restaurantes e exigiram mais refeições em casa. As vendas líquidas orgânicas da companhia aumentaram 16% na comparação com o quarto trimestre do ano fiscal anterior.

A fabricante de alimentos, como cereais Cheerios, sorvete Häagen-Dazs, barras de granola Nature Valley, disse que suas vendas para varejistas nos EUA e no Canadá totalizaram US$ 3,2 bilhões no trimestre, alta de 28% na comparação anual.

Nos EUA, as vendas cresceram 75% em refeições, sopas, farinhas, alimentos prontos e subiram 26% em cereais. Já os negócios da empresa que atendem lojas de conveniência e serviços de alimentação registraram queda de 24% nas vendas, para US$ 393 milhões.

O CEO da General Mills, Jeff Harmening, disse que considera que a demanda por seus produtos continue firme. “A empresa espera que as preocupações dos consumidores com a transmissão do novo coronavírus e com a recessão aumentem a demanda por refeições em casa, em relação aos níveis pré-pandêmicos“, afirmou Harmening.

A General Mills disse que está monitorando a possibilidade de uma segunda onda da pandemia, a disponibilidade de uma vacina, a confiança do consumidor, a fim de avaliar a magnitude e a duração provável da demanda mais forte. A companhia não informou as perspectivas financeiras para o ano fiscal 2021, alegando as incertezas macroeconômicas relacionadas à pandemia da Covid-19.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Conteúdo original Revista DBO