Maggi defende recursos adicionais para a Embrapa

Ministro discursou ontem no encerramento da reunião de gestores da empresa
Maggi: “A Embrapa deve ser uma empresa que tenha a liberdade de pensamento.” Foto: Divulgação Mapa

Uma cidade tecnológica a ser construída em São Paulo, onde está instalada a Ceagesp, atualmente, deverá ser fonte de recursos para o orçamento da Embrapa, defendeu o ministro Blairo Maggi (Agricultura, Pecuária e Abastecimento), no encerramento da reunião de gestores da empresa, nesta quinta-feira (29). “O resultado financeiro dessa operação do aluguel, enfim, do que houver lá, servirá para a que Embrapa tenha algo diferente, fora da briga do orçamento anual”, afirmou.

Blairo Maggi adiantou já haver conversado sobre isso com a futura ministra Tereza Cristina, que irá sucedê-lo no novo governo. “Ela concordou que é um bom caminho”. A Ceagesp situada no Bairro Jaguaré, Zona Oeste da capital, deverá ser transferida pelo governo do estado. “Se o terreno for vendido, o dinheiro se perde. Então é melhor que seja dessa forma”, observou.

Em seu discurso, o ministro lembrou o reconhecimento internacional da Embrapa, defendeu que haja cobrança para a transferência de tecnologia a outros países que têm interesse em fazer acordos com a empresa. E acrescentou que a agropecuária do país não seria a mesma, não fosse a contribuição da pesquisa e das tecnologias desenvolvidas pelos cientistas do quadro da Embrapa.

Falou também sobre o futuro e a rapidez com que há transformação no setor, nos dias de hoje. “Desejo uma Embrapa que corresponda ao novo momento que o Brasil, aliás que toda a humanidade vive, nessa direção de conhecimento, de mudanças rápidas, de adaptação urgente. Caso contrário, a gente fica para trás. E a Embrapa não deve ficar para trás, deve ser uma empresa que tenha a liberdade de pensamento, que tenha a responsabilidade de fazer as coisas para o futuro”.

O ministro recebeu uma comenda da Embrapa em reconhecimento ao trabalho realizado durante sua gestão no Ministério da Agricultura.

Mapa
O período de dois anos e sete meses à frente do ministério, de acordo com Maggi, foi nos últimos anos um dos mais longevos. Isso é importante, afirmou, para levar adiante propósitos de governo, como o que lhe permitiu retomar a decisão sobre o destino dos recursos do Plano Agrícola e Pecuário (PAP).

“O dinheiro é uma parte importante, embora seja apenas uma parte da política agrícola. Mas foi preciso dizer ao Banco Central, à Fazenda: vocês definem os recursos, a disponibilidade, vamos discutir taxa de juros, mas para onde vai, como fazer, qual é a prioridade, é papel da Agricultura”.

 

Fonte: Mapa

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on skype
Skype
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on email
Email
Share on pocket
Pocket

Posts Relacionados:

Menu

GALERIA DE FOTOS DO INSTAGRAM

Acompanhe e compartilhe:

Fechar Menu
×
×

Carrinho