[full-banner-1170-x-134-home-geral1]

Mais chance para os machos inteiros?

Estudo da Unesp mostra que animais com “dois dentes” têm mesma qualidade de carne dos “zero dentes”, maturidade máxima aceita pelos programas de certificação

Padrão dos animais 1/2 sangue acompanhados no experimento. Foto: Carolina Jardine

Por Carolina Rodrigues

Já não há dúvida quanto à preferência dos programas de carne de qualidade por animais castrados, embora quase todos aceitem “inteiros”, com restrições. No Programa Carne Angus Certificada, um dos maiores e mais representativos do País, a exigência para essa categoria de machos é que sejam bem jovens (dente de leite)”, critério visto como garantia para uma carne de qualidade mais próxima à dos castrados. Nem o Angus, nem outros programas similares, como o Carne Pampa (Hereford e Braford), o Charolês e o Devon aceitam inteiros com dois dentes incisivos definitivos.

Mas, será este um critério adequado? Uma pesquisa inédita, realizada pela Unesp-Jaboticabal (SP) em parceria com a Cargill/Nutron, a Fazenda Turbilhão (em Estrela D’Oeste, SP) e o Frigoestrela, comparou dados de machos inteiros “zero leite” com os de inteiros com “dois dentes” e não constatou nenhuma diferença entre eles, no que se refere à qualidade de carne.

O estudo, realizado em 2019 e recém-divulgado, acompanhou 640 animais F1 Angus-Nelore confinados por um período de 180 dias, com uma dieta de alto concentrado, formulada para ganho de 1,5 kg/cab/dia. Após o abate, todos passam por inspeção da dentição, escolhendo-se aleatoriamente 44 carcaças de animais “zero dente” e 44 com “dois dentes”. Em seguida, foram colhidas amostras de carne para análise laboratorial (composição química, cor, perdas por cozimento, força de cisalhamento e pH).

A diferença na dentição não influiu nas características de carcaça, incluindo peso, rendimento, perda de resfriamento, área de olho de lombo e espessura de gordura. O mesmo se provou quanto à qualidade da carne. Os valores médios de pH das carcaças foi de 5,7 nos dois grupos e a força de cisalhamento de 5,4 quilogramas-força (kgf), conforme mostra a tabela. O trabalho é inédito porque somente dois estudos até agora avaliaram a classificação dentária em carcaças de novilhos Nelore inteiros e sua correlação com a qualidade de carne, mas nenhum deles fez comparações entre “zero dentes” e “dois dentes”.

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Você merece este e todo o rico conteúdo da Revista DBO.
Escolha agora o plano de assinatura que mais lhe convém.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Se já é assinante, entre com sua conta

This post is only available to members.
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no skype
Skype
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no tumblr
Tumblr
Compartilhar no print
Print
2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.