Mapa define medidas de emergência para controlar a praga dos gafanhotos

As diretrizes têm caráter preventivo, já que a nuvem de gafanhotos continua em território argentino, sem previsão de chegar ao Brasil

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), em continuidade às ações sobre o estado de emergência fitossanitária para a praga Schistocerca cancellata (gafanhotos) que vem gerando danos em território argentino, publicou nesta terça-feira (30/6) a Portaria nº 208, que estabelece as diretrizes para a elaboração do Plano de Supressão e as medidas emergenciais de controle a serem aplicadas no caso de surto da referida praga nos Estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. As últimas atualizações recebidas do governo argentino confirmam que a nuvem de gafanhotos continua se deslocando lentamente em direção ao sul, sem previsão, até o presente momento, de alterações climáticas que favoreçam o seu direcionamento rumo ao Brasil.

Continue a leitura após o anúncio

Os planos de supressão deverão ser elaborados pela Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural do Estado do Rio Grande do Sul (SEAPDR/RS) e pela  Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc), a partir dos procedimentos gerais de controle estabelecidos pelo Departamento de Sanidade Vegetal e Insumos Agrícolas da Secretaria de Defesa Agropecuária do Mapa. As medidas a serem tomadas pelos respectivos órgãos deverão ser detalhadas tais como os canais para envio de informações, os procedimentos para o monitoramento e controle da praga, além dos mecanismos de controle da aquisição e as recomendações para o uso de agrotóxicos.

Considerando ainda parecer técnico de grupo de especialistas da Embrapa quanto à indisponibilidade de produtos específicos para o controle da praga caso a nuvem de gafanhotos adentre no território brasileiro, foi autorizado também, em caráter emergencial e temporário, o uso dos inseticidas biológicos a base de Beauveria bassiana Metarhizium anisopliae,  assim como de ingredientes ativos autorizados atualmente para o controle de outras espécies de gafanhotos que geram prejuízos às lavouras brasileiras, seguindo doses máximas e os intervalos de segurança para cada cultura e cada produto especificado.

A equipe técnica do Mapa em Brasília se mantém em alerta juntamente com as Superintendências Federais de Agricultura (SFAs) e os Órgãos Estaduais de Defesa Agropecuária em ambos os estados e em permanente contato com o Serviço Nacional de Sanidade e Qualidade Agroalimentar da Argentina (Senasa) para o monitoramento do deslocamento da nuvem de gafanhotos e a preparação de medidas de controle de forma tempestiva, se for necessário. Fonte: Mapa.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Conteúdo original Revista DBO