Mapa rebate críticas da Abrafrigo a requisitos de exportação para China

Segundo a Abrafrigo, regras favorecem grandes frigoríficos em detrimento de pequenos produtores

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) divulgou nota na última quinta-feira respondendo às críticas feitas pela Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo) aos critérios adotados pela pasta para habilitação de empresas para exportação de carne à China. Com viagem oficial à Ásia agendada para a próxima semana, o Mapa incluiu a exigência de que os frigoríficos a serem apresentados para as autoridades chinesas possuam autorização para atender a União Europeia. Segundo a pasta, a medida atendeu a um pedido das autoridades chinesas.

+Abrafrigo critica lista a ser apresentada a importadores chineses
+Tereza Cristina: China deverá fazer visita ao Brasil em breve
+China vai discutir importação de carne brasileira em maio

Continue a leitura após o anúncio

“É entendimento do Mapa que as negociações com as autoridades chinesas devem ser iniciadas atendendo-se ao pleito da GACC (General Administration of Customs China), isto é, que sejam “incluídos apenas questionários de estabelecimentos que já estejam habilitados para a UE”, disse a pasta em nota. Ainda de acordo com o Ministério da Agricultura, “manifestações feitas por associações sobre o assunto refletem interesses específicos e devem ser entendidas dessa forma”.

Segundo a Abrafrigo, a medida favorece grandes frigoríficos em detrimento de pequenos produtores. “A Abrafrigo contesta veementemente esta situação e roga ao Mapa que priorize os frigoríficos que foram auditados, ainda não habilitados e outros que estavam aguardando mediante o critério de amostragem que vigorou até agora”, defendeu a entidade em nota.

Em seu posicionamento, contudo, o Mapa se defende. Afirma que ” trabalha pensando no interesse nacional e não no de empresas específicas, sejam elas pequenas, médias ou grandes” e que “o tratamento dispensado a todas é o mesmo”, respeitando o princípio da isonomia e da transparência.

“Todas as empresas que cumpram os requisitos sanitários serão objeto de negociação com autoridades chinesas com vistas à eventual habilitação”, concluiu o ministério.

 

 

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Relacionado

Conteúdo original Revista DBO