Mapa refaz contas e projeta aceleração na produção de carne bovina

Setor de proteína vermelha será cada vez mais relevante nos próximos 10 anos, puxado pela exportação

Em 2021, o Brasil deve processar 10,04 milhões de toneladas de carne bovina, passando pela primeira vez a marca histórica de 10 milhões de toneladas, de acordo com o estudo “Projeções do Agronegócio – Brasil 2019/2020 a 2029/2030”.

Todos os anos, a Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa), e a Embrapa, coordenam a revisão de projeções sobre as diversas cadeias do agronegócio no longo prazo, realizada há 11 anos. Além das carnes bovina, suína e frango, a série “Projeções do Agronegócio” analisa as cadeias de grãos,  arroz e feijão, algodão em pluma, milho, soja em grão, café, leite, açúcar, laranja e suco de laranja, celulose e papel, frutas, cacau.

Continue a leitura após o anúncio

No caso da carne bovina, a novidade é que o documento do ano passado trazia que a marca de 10 milhões de toneladas de carne bovina somente seria ultrapassada em 2023. Mas é preciso entender o documento. Os analistas do Mapa fazem uma projeção e uma segunda possibilidade de aumento dessa projeção, em uma linha superior dessa previsão.

Explicando, neste ano, por exemplo, a previsão é de 9,88 milhões de toneladas,podendo chegar a 10,9 milhões. Para 2022, a projeção é de 10,2 milhões de toneladas, podendo chegar a 12 milhões. E assim sucessivamente. Olhando o mercado hoje, em 2030, a previsão é de que a produção de carne bovina chegue a 11,4 milhões de toneladas, podendo chegar a 14,2 milhões.

O grande salto, como era de se prever, será dado nas exportações brasileiras de carne. Para este ano, a projeção é de 2,5 milhões de toneladas vendidas ao Exterior, sendo que o máximo pode chegar a 2,9 milhões de toneladas. O documento aponta que a partir de 2026, o País passe para a casa de 3 milhões de toneladas, com a projeção máxima para este ano de 4,4 milhões.

O ano de 2030, a mais avançada projeção, é de 3,4 milhões de toneladas exportadas, podendo avançar para 5,2 milhões.  Segundo o documento, “os grandes mercados para a carne bovina são representados por China, Estados Unidos, Japãoe Coréia do Sul. A China deve importar 31,7% da carne exportada em 2029“.

As projeções do Mapa vão ao encontro do que dizem os Estados Unidos. De acordo com o documento “o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA, 2020) classifica o Brasil em 2029 como primeiro exportador de carne bovina, com 28,7% das exportações totais, sendo a Índia o segundo, seguida por Estados Unidos e Austrália”.

O crescimento da produção só não deve ser maior, por conta de um mercado consumidor interno mais tímido. Mas, mais que isso, por conta da concorrência das carnes de aves e de suínos. Até 2029/2030, o consumo doméstico de frango deve aumentar 2,5% e de suínos, 2,2%.

Para a carne bovina, a projeção é que o aumento do consumo interno fique em 0,8%. Para este ano, a previsão é de que os brasileiros consumam 7,4 milhões de toneladas, sendo que a projeção máxima aponta 8,2 milhões de toneladas. O salto até 2030 está calculado para 8,2 milhões de toneladas, podendo chegar a 9,9 milhões.

 

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Conteúdo original Revista DBO