Carne bovina: Masterboi diz que foi surpreendida por suspensão de importações pela China

A empresa pernambucana também ressaltou que seguiu todos os protocolos exigidos pelo governo chinês, inclusive protocolos de controle da covid-19

A Masterboi informou na noite de quarta-feira, 20, que foi surpreendida pela decisão do governo da China de suspender as importações de carnes provenientes da sua unidade.

A empresa tomou conhecimento da decisão pelo site da Administração Geral de Alfândegas da China (GACC) e garante que até o momento não foi notificada pelo Ministério da Agricultura, ressaltando que as “razões para tal medida ainda são totalmente desconhecidas”.

Diante da informação de que os outros frigoríficos também foram penalizados da mesma maneira, há alguns dias, sob alegação de terem sido encontrados traços de ácido nucleico da covid-19 em embalagens externas, a Masterboi informa que segue um rigoroso protocolo sanitário contra o coronavírus e já concluiu todo ciclo vacinal em suas unidades no Brasil.

VEJA TAMBÉM | China suspende importação de carne da unidade da Masterboi no Pará

O último caso da doença na unidade de São Geraldo do Araguaia (PA) foi em janeiro passado, segundo o comunicado da empresa enviado ao Broadcast Agro.

A empresa pernambucana também ressaltou que seguiu todos os protocolos exigidos pelo governo da China, inclusive protocolos de controle da covid-19, e jamais foi notificada pelas autoridades chinesas da existência de quaisquer traços da doença na chegada dos seus contêineres na China.

A empresa aguarda mais informações e, tão logo as tenha, volta a fazer novo posicionamento.

Compartilhe
WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
Email

Revista DBO | Na vanguarda ambiental

VEJA mais destaques da edição de julho; na capa, Liga do Araguaia entra no “mercado verde”. Alguns produtores já recebem de R$ 250 a R$ 370/ha/ano para manter excedente florestal de pé.

Revista DBO | Na vanguarda ambiental

VEJA mais destaques da edição de julho; na capa, Liga do Araguaia entra no “mercado verde”. Alguns produtores já recebem de R$ 250 a R$ 370/ha/ano para manter excedente florestal de pé.

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.