Mato Grosso pede ajuda da Força Nacional no combate a incêndios que já atingiram 1,7 milhão de hectares

O governador Mauro Mendes diz que as chamas já atingiram cerca de 20% do bioma Pantanal no Estado
Operação de combate ao incêndio no Pantanal. Foto: Mayke Toscano/Secom-MT

O governo de Mato Grosso pediu ao Ministério da Justiça e Segurança Pública que envie ao estado agentes da Força Nacional de Segurança Pública para ajudar no combate ao fogo que há meses atinge o Pantanal.

No ofício já entregue ao ministério, o governador Mauro Mendes diz que as chamas já atingiram cerca de 20% do bioma em território mato-grossense, o que corresponde a algo em torno de 1,7 milhão de hectares. Cada hectare corresponde às medidas aproximadas de um campo de futebol oficial.

Além da presença dos agentes da tropa federativa, o governador também solicita que o governo federal disponibilize aeronaves especiais e “profissionais qualificados” para auxiliar os brigadistas, militares e voluntários que estão tentando extinguir as chamas e controlar os focos de incêndio.

O Ministério da Justiça e Segurança Pública informou que está analisando o pedido estadual. Em nota, a pasta disse que o ministro André Mendonça conversou com Mendes e com o governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja, no último fim de semana. O ministro propôs que o ministério arque com as despesas de diárias dos bombeiros cedidos por outras unidades da federação para ajudar no combate ao fogo.

Em Mato Grosso do Sul já há, segundo o governo estadual, bombeiros do Paraná e de Santa Catarina atuando. Além de militares sul-mato-grossense e mato grossense, participam das ações de combate às chamas militares da Marinha e do Exército, brigadistas do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e do Instituto Chico Mendes (ICMbio) e voluntários.

Mato Grosso do Sul

Além de destruir cerca de 1,7 milhão de hectares em Mato Grosso, as chamas incineraram mais 1,1 milhão de hectares em Mato Grosso do Sul. Até a semana passada, as áreas do Pantanal atingidas nos dois estados, somadas, ultrapassavam os 2,8 milhões de hectares – o correspondente a quase 30 mil km², o que representa um território maior que todo o estado de Alagoas.

Consultado, o governo sul-mato-grossense informou à Agência Brasil que, até o momento não cogita pedir auxílio da Força Nacional de Segurança Pública para combater os incêndios.

De acordo com o chefe da assessoria de Comunicação do Corpo de Bombeiros de Mato Grosso do Sul, tenente-coronel Fernando Carminati, a chuva que caiu em alguns pontos do Pantanal sul-mato-grossense no último fim de semana contribuiu para amenizar o clima seco, aumentando a umidade, mas não foi suficiente para extinguir todos os focos de calor.

“No Pantanal, há um foco no norte do estado que vamos sobrevoar ainda hoje para visualizar a real situação”, informou Carminati à Agência Brasil. “A chuva deu uma amenizada em alguns pontos, mas não foi o suficiente para extinguir todos os focos, que continuam sendo monitorados”, acrescentou o tenente-coronel.

A Superintendência da Polícia Federal em Mato Grosso do Sul e órgãos dos dois estados instauraram inquéritos para investigar as origens dos incêndios. O objetivo é apurar eventuais responsáveis e responsabilizá-los por crimes ambientais. Entre as hipóteses investigadas está a de que proprietários rurais autorizados a queimar parte da vegetação para limpar suas terras tenham perdido o controle das chamas, que avançou pela vegetação seca devido à mais severa estiagem das últimas décadas. Outra hipótese é a de que as queimadas tenham sido intencionais.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.