Mapa diz não ter sido notificado pela China sobre Covid em frango brasileiro

Nesta quinta-feira, o governo da cidade de Shenzhen informou que uma amostra de asa de frango congelada importada do Brasil apontou presença do coronavírus

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) informou que “até o momento não foi notificado oficialmente pelas autoridades chinesas” sobre a suposta detecção de traços de coronavírus em lote de asas de frango brasileiro importado pelo país.

Saiba mais:
China encontra coronavírus em asas de frango do Brasil

De acordo com a pasta, após notícia veiculada na imprensa da província chinesa, foi acionado o adido agrícola em Pequim, “que consultou a Administração Geral de Aduanas da China (GACC) buscando as informações oficiais que esclareçam as circunstâncias da suposta contaminação”. O GAAC é o órgão do governo chinês responsável pela habilitação de estabelecimentos exportadores e que também realiza o controle de mercadorias na aduana.

Na madrugada desta quinta-feira (13/8) o governo da cidade de Shenzhen, no sul da China, informou que um teste feito em uma amostra de asa de frango congelada importada do Brasil apontou presença do coronavírus.

Segundo a administração local, a descoberta foi feita após uma pequena amostra da superfície ser retirada do lote e testada por centros locais de controle de doenças. De acordo com o comunicado, por meio do número do lote identificou-se como sendo da Aurora Alimentos, de Santa Catarina.

No comunicado, o Ministério da Agricultura destacou que outras amostras do mesmo lote foram coletadas, analisadas e os resultados foram negativos, segundo informações do governo de Shenzhen, e que as pessoas que manusearam o material também testaram negativo para Covid-19.

“O Mapa ressalta que, segundo a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO) e a Organização Mundial da Saúde (OMS), não há comprovação científica de transmissão do vírus da Covid-19 a partir de alimentos ou embalagens de alimentos congelados”, afirmou o Ministério.

A entidade disse, ainda, que “reitera a inocuidade dos produtos produzidos nos estabelecimentos” sob o Serviço de Inspeção Federal (SIF) – sistema de controle e credenciamento de frigoríficos. “Visto que obedecem a protocolos rígidos para garantir a saúde pública”, destaca a nota. De acordo com fontes, a ministra Tereza Cristina não irá se pronunciar sobre o assunto. Até o fechamento deste texto, a reportagem não havia obtido um posicionamento da empresa citada.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.