Ministra Tereza Cristina abre o Congresso Nacional das Mulheres do Agronegócio

Evento que começou hoje, no formato on line fechado, reúne cerca de 2,5 mil mulheres de todo o País

Na manhã desta segunda-feira (26/10), a ministra Tereza Cristina, da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), participou da mesa que abriu o 5º Congresso das Mulheres do Agronegócio, evento promovido pelo Transamérica ExpoCenter, com o apoio da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag).

Teresa Cristina, ministra da Agricultura e Pecuária. Foto: Mapa

“Há mais mulheres à frente da produção, ou porque assumiram o negócio da família ou por opção”, disse a ministra. Ela também falou das “mulheres invisíveis”, grupo formado por pequenas produtoras da agricultura familiar. “O acesso a recursos muda a vida, porque isso faz diferença na sua vida da mulher e na vida de seus filhos.” Tereza Cristina se referia ao projeto Fomento Mulher, uma inciativa de microcrédito.

A ministra dividiu a mesa com Maria do Céu Antunes, ministra da Agricultura de Portugal, e com a uruguaia Graciela Fernandez, líder da Aliança das Cooperativas Internacionais na América (ACI-Américas). Dois temas tomaram a maior parte das discussões do painel: o acordo Mercosul-União Europeia e o espaço e desafios da presença das mulheres no movimento cooperativista global.

Maria do Céu Antunes, ministra da Agricultura de Portugal.

Sobre o acordo dos dois blocos, que o Parlamento Europeu vem pedindo mudanças na agenda ambiental de países do Mercosul para que ele seja ratificado, a ministra de Portugal disse que seu país vem defendendo desde o primeiro momento que ele é do interesse de todos. “Todos sabemos que é preciso produzir mais com menos, imbuídos de um espírito global”, afirmou.

As duas ministras, Maria do Céu e Tereza Cristina, salientaram que é preciso comunicar melhor sobre o acordo. “Vamos discutir. Saber o que tem de bom e o que não for bom a gente melhora. E isso no mundo todo”, disse Tereza Cristina. A ministra portuguesa propôs a criação, entre os dois países, de um fórum permanente de troca de informações e de experiências, incluindo modelos cooperativos e iniciativas que mostrem mulheres à frente de projetos.

Graciela Fernandez, líder da ACI-Américas

Para Graciela Fernandez, líder da ACI-Américas, a inserção de diálogos e intercâmbio, além de políticas públicas que entendam o papel do setor privado, estão na base de mudanças consistentes. “O Brasil tem muitos bons exemplos de cooperativas”, disse ela. “Produzir é duro, não é fácil”. Graciela também mostrou como as mulheres vêm se organizando e como os negócios tocados por elas têm mudado as comunidades no continente.

O congresso nacional das mulheres segue até a quinta-feira (29/10), com mesas sobre pesquisa, visão e gestão de negócios, comércio internacional, tecnologias e inovação. Em todos os dias, mulheres de todo o País também participam do projeto “Minha Voz no Agro”, espaço no qual elas contam as suas experiências.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.