Menu
Menu

MT: Imea eleva estimativa de produção de soja, milho e algodão

Na soja, área deve aumentar 1,64%, mas produtividade terá recuo na comparação com a safra 2017/2018

O Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea) elevou a sua previsão de área plantada de 9,58 milhões de hectares para 9,62 milhões de hectares. O novo número representa aumento de 1,64%, o que equivalente a 155,35 mil hectares, em comparação à última safra. Dentre as regiões que apresentam uma expectativa de maior de incremento de área, estão as regiões norte (+8,54%), noroeste (+4,39%) e nordeste (+2,01%) de Mato Grosso. “Essa retomada no crescimento da área semeada é, principalmente, reflexo da valorização da oleaginosa brasileira, pautada no aumento da demanda internacional”, disse o Imea.

Ainda de acordo com o instituto, a previsão de rendimento foi mantida em 56,23 sacas por hectare, o que representa recuo de 1,83% ante a produtividade recorde obtida no ciclo anterior. O Imea citou a expectativa de manutenção do investimento em tecnologia no campo, o processo de semeadura ainda em fase inicial e as previsões, de um modo geral, apontando para um clima dentro da normalidade durante o cultivo da oleaginosa no Estado.

O Imea também ajustou para cima a previsão de produção para 32,45 milhões de toneladas, ante 32,32 milhões de toneladas projetadas em maio. O novo número representa recuo de 0,22%, ou 70,83 mil toneladas, em relação à safra 2017/2018.

Milho

O Imea também reajustou para cima sua estimativa de produção para a segunda safra de milho de 2017/2018 em 0,7% ante a previsão anterior (de agosto), para 27,58 milhões de toneladas. Se confirmada, será a segunda maior produção de milho do Estado, disse o Imea em sua 6ª estimativa para a safrinha de 2017/2018.

O instituto manteve sua projeção de área plantada em 4,62 milhões de hectares, 2,56% menor que o apurado na safrinha de 2016/2017. Mas aumentou levemente o número de produtividade média das lavouras, para 99,56 sacas por hectare – no levantamento passado, a previsão era de 98,86 sacas/hectare. “Os bons volumes de chuva durante quase todo o período de desenvolvimento das lavouras colaboraram para os rendimentos a campo”, disse o Imea no boletim. Mesmo com o reajuste, o rendimento estimado ainda é 7,04% inferior ao apurado no ciclo passado, de 107,1 sacas/hectare.

A região oeste de Mato Grosso obteve a mais alta produtividade média, 107,38 sacas/hectare. No médio-norte, foi consolidada em 103,55 sacas/hectare. Já no nordeste e no sudeste mato-grossenses, os atrasos na semeadura comprometeram os rendimentos na comparação com a safra passada. Nestas regiões, os rendimentos médios devem se consolidar em 85,53 e 94,17 sacas/hectare, respectivamente.

Algodão

No algodão, a previsão passou de 1,33 milhão para 1,4 milhão de toneladas, um novo recorde no Estado. A estimativa de área plantada foi ajustada de 782,90 mil hectares para 794,3 mil hectares, ou seja, 26,8% acima da safra anterior, devido ao aumento dos preços ofertados no mercado, segundo o instituto.

O Imea estimou, ainda, produtividade recorde de 280,6 arrobas/ha no Estado – em agosto, a previsão era de 278,50 arrobas/ha. “Tal perspectiva se deu pelas boas condições climáticas, que se mantiveram favoráveis durante quase todo o período do desenvolvimento das lavouras, em conjunto com os investimentos tecnológicos no cultivo”, disse o Imea.

Apesar dos atrasos iniciais, a intensificação dos trabalhos de campo durante o período do pico da colheita fez com que ela fosse encerrada perto de igual período do ano passado, de acordo com o instituto.

Fonte: Portal DBO.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on skype
Skype
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on email
Email
Share on tumblr
Tumblr
Share on print
Print

Veja também:

Produtores já estão testando novo modelo de produção de novilhas

A Agropecuária JBJ, de GO, e a Fazenda Rancho Fundo, do MS, suplementam as fêmeas desde bezerras para desafiá-las na IATF aos 13-14 meses.

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.

“Precocinhas” Nelore no confinamento

Os sistemas de produção de novilhas precoces também abrem caminho para a engorda dessas fêmeas para venda bonificada a programas de carne de qualidade.

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.

Novilhas Nelore sob holofotes

Elas são as novas estrelas da pecuária, graças aos avanços em precocidade com prenhez aos 13-14 meses, e valorização nos projetos de carne gourmet. Agora, elas também são objeto de pesquisa da Apta-Colina para o desenvolvimento de sistema específico de produção, a exemplo do programa do Boi 7-7-7.

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.

Café com frio

Especialista dá dicas de como evitar problemas com o frio no cafezal, cultura que gosta de “cabeça quente e pés frios”

SOBRE A MÍDIA DBO

A DBO Editores Associados, fundada em junho de 1982, sempre se caracterizou como empresa jornalística totalmente focada na agropecuária. Seu primeiro e principal título é a Revista DBO, publicação líder no segmento da pecuária de corte. O Portal DBO é uma plataforma digital com as principais notícias e conteúdo técnico dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da cobertura dos leilões de todo o Brasil.

ANUNCIE DBO

Acompanhe aqui o vídeo da edição mais recente da Revista DBO. Para ver os destaques das outras edições, basta clicar aqui.

ASSINE A REVISTA DBO

Revista DBO Ligue grátis: 0800 110618 (Segunda a sexta, das 08h00 às 18h00)

2018 DBO - Todos os direitos reservados

×
×

Carrinho