“Não tem mais mercado para boi erado”, diz diretor da Minerva

Falta de padronização das carcaças produzidas no Brasil pode ser um problema para a conquista de novos mercados

“Não tem mais mercado para boi erado; esse boi não tem mais liquidez”. Com essa frase, Fabiano Tito Rosa resume bem o tema que foi apresentado por ele durante palestra realizada no Encontro de Confinamento e Recriadores da Scot Consultoria, ocorrido na última semana, em Ribeirão Preto, SP.

Formado em zootecnia, Tito Rosa tem larga experiência no mercado de boi gordo e atualmente é diretor executivo de compras da Minerva.

Continue a leitura após o anúncio

Segundo ele, a falta de padronização das carcaças produzidas no Brasil pode ser um problema para a expansão e conquista de novos mercados mundo afora.

“A qualidade da carcaça vai muito além de cobertura de gordura, que é o que todo mundo pensa quando se fala em qualidade. Inclusive, para quem trabalha com exportação, o primeiro ponto quando falamos em qualidade, é a idade”, diz.

Os mercados compradores de “commodity” também têm exigência elevada, observa Tito Rosa. É o caso do Chile, que tem muita exigência com idade e pH, e da China, que só importa animais com no máximo 30 meses de idade, exemplifica o diretor

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Conteúdo original Revista DBO