“Não vão ter pasto, o gado vai emagrecer e a região tem uma logística difícil e complicada”, disse Tereza Cristina sobre os incêndios no Pantanal

Para a ministra da Agricultura, o produtor rural da região também está tendo prejuízos com as queimadas

A extrema seca pela qual passa o Pantanal neste ano faz com que a “tendência” seja a ocorrência de mais incêndios no bioma, afirmou a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, em live promovida pela revista Época,  na noite desta quarta-feira (23/9). “Não vou dizer que é normal, nem agradável (os incêndios), mas a tendência, com a seca que tivemos, é que houvesse mais incêndios”, disse Tereza Cristina.

Tereza Cristina, ministra da Agricultura e Pecuária. Foto: Mapa

Ao afirmar que “passou a infância” no Pantanal e conhece bem a região, ela advertiu que “culpar o homem do Pantanal pelos incêndios, aquele trabalha lá, é injustiça”, já que ele também está tendo muito prejuízo por causa do fogo. “Ficamos penalizados com a fauna, com a onça e o jacaré, mas temos de lembrar que as pessoas que estão lá terão um período difícil agora”, advertiu. “Não vão ter pasto, o gado vai emagrecer e a região tem uma logística difícil e complicada para abastecer os animais com ração. É uma judiação e um sofrimento generalizado.”

A ministra acrescentou, porém, que é necessário punir quem ateou fogo no bioma, “propositalmente ou inadvertidamente”. “A lei existe e é para ser cumprida”, reforçou. De todo modo, acrescentou que se deve pensar se o bioma Pantanal está sendo trabalhado “da maneira correta”. “Sobre a ‘pata do boi’, que muitos querem tirar, os velhos pantaneiros dizem que o boi é o bombeiro do Pantanal, porque ele come a palha e as gramíneas. Assim, se tiver fogo ele não se alastra como vimos este ano”, exemplificou. “Temos de aprender com quem vive lá e com a ciência, e também com quem está estudando os efeitos do clima.”

Indagada sobre os investimentos portentosos que o Estado da Califórnia (EUA) – também vítima de trágicos incêndios este ano -, faz para minimizar os efeitos das mudanças climáticas, a ministra disse que “não dá para comparar” o tamanho da Califórnia com o tamanho do Brasil. “A Europa (ocidental), por exemplo, cabe inteira na Amazônia”, destacou.

“Então, precisamos de recursos, de gente, com certeza, mas hoje o Brasil tem necessidades enormes, como saneamento básico, moradia, muitos problemas a atacar”, prosseguiu, citando ainda que o governo federal lançou mão, para ajudar a debelar os focos de incêndio na Amazônia, das Forças Armadas. “Tem gente em helicópteros, aviões e gente por terra, gente apagando incêndios, vendo onde tem ilegalidades, prendendo gente e uma série de coisas que não são faladas, na imensidão que é a Amazônia”, garantiu a ministra.

“No Pantanal, o Ministério do Meio Ambiente colocou aviões e o que tinha de material tanto humano quanto de recursos de equipamentos e não é suficiente”, lamentou. A ministra acrescentou que, apesar da crise econômica, o “Brasil precisa, sim, pensar nisso (na proteção ambiental)”.

“Mas vivemos um momento complicado na economia; é uma coisa que está na nossa mente e vamos ter de estar sempre prevenindo o que vier para os próximos anos.” Apesar das mazelas atualmente enfrentadas, inclusive “pelo grande tamanho do País”, Tereza Cristina garantiu que a maioria dos produtores rurais “cumpre a legislação ambiental”.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.