Nelore e Angus lideram o mercado de sêmen para corte

Dados da Asbia revelam que das 16,3 milhões de doses vendidas no País em 2020, cerca de 14,1 milhões foram divididas entre as duas raças
Foto: Reprodução

Nelore e Angus são as raças preponderantes na inseminação artificial bovina brasileira e ambas devem continuar essa prevalência uma vez que cada vez mais produtores começam a mesclar as duas raças, combinando a rusticidade e produtividade do nelore com a precocidade e qualidade de carne do angus.

Os mercados de exportação, em alta, a demanda crescente e as valorizações da arroba do boi gordo e do bezerro reforçam o bom momento do mercado e a excelente performance dessas duas raças”, afirma Flávio Moraes, gerente executivo de vendas da CRV no Brasil, Paraguai e Bolívia.

Dados da Associação Brasileira de Inseminação Artificial (Asbia) indicam que das 16,3 milhões de doses de sêmen de gado de corte comercializadas no país em 2020, 14,1 milhões, ou 86%, foram divididas entre ambas, somando praticamente metade para cada raça.

Em comunicado, a CRV esclarece que esse empate técnico se deve à “busca” do nelore, que é o rebanho base, e por estamos passando por um momento de retenção desses animais no ciclo pecuário. Em 2020, por exemplo, as vendas de nelore cresceram 61% no Brasil, enquanto a velocidade de expansão do angus foi de 22%.

“O nelore é um animal rústico: o bezerro nasce e, horas depois, já está junto com o rebanho”, afirma Cassiano Pelle, gerente de Produto Corte Zebu da CRV. “O nelore enfrenta bem o calor porque sua cor clara reflete a luz do sol, tem resistência a parasitas e apresenta longevidade dada à sua adaptação às condições do Brasil”, diz Pelle. Outro ponto que atrai os produtores ao nelore é a morfologia da raça: possui ossatura leve, mas robusta e forte.

O angus, por sua vez, possui inúmeras características importantes, como a facilidade de parto, por exemplo, que permite um manejo melhor dos animais em campo. “Essa raça britânica oferece habilidade materna, melhor acabamento e facilidade de colocar gordura na carcaça. Com puberdade precoce, os machos produzem sêmen mais cedo e as fêmeas entram mais novas na fase reprodutiva”, explica Delmiro Rodrigues, gerente de produto de corte europeu da CRV.

O avanço da genética bovina tornou a oferta de sêmen no mercado brasileiro bastante sofisticada. “Hoje podemos atender as demandas específicas dos pecuaristas, seja fertilidade, peso ao nascer, velocidade de engorda, habilidade materna ou outra característica que os produtores querem dar a seus rebanhos”, diz Pelle.

Fonte: Ascom, texto adaptado pela Redação DBO.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.