O pastejo de bovinos pode prejudicar áreas de lavoura?

Pesquisadora do Instituto de Zootecnia/APTA/SAA, Flávia Fernanda Simili, desmistifica o uso de pastagens consorciadas com lavouras

Os sistemas integrados de produção agropecuária, conhecidos também por Integração lavoura pecuária (ILP) e integração lavoura pecuária floresta (ILPF), têm ganhado destaque nos últimos anos.

Com a adoção dos sistemas integrados é possível maximizar o uso do solo, aumentar a produtividade de grãos, carne e/ou leite, melhorar a qualidade química, física e biológica do solo; aumentar a ciclagem de nutrientes; quebrar o ciclo de pragas e controlar plantas invasoras; proporcionar a diversificação de produtos; diminuir os custo de produção e aumentar a renda do produtor com garantia de retorno mais rápido do investimento.

Porém, mesmo diante de todos os benefícios que os sistemas integrados oferecem, o pastejo dos animais em áreas de lavouras é um assunto que preocupa os agricultores, tornando-se muitas vezes um entrave na adesão da técnica, devido a compactação do solo. O estudo da compactação do solo envolve análises físicas, tais como: densidade do solo, macro e microporosidade, umidade do solo e resistência mecânica do solo a penetração (RMSP). Esses indicadores irão auxiliar no diagnóstico da compactação.

Nos sistemas integrados, com a adoção da técnica do “plantio direto” e da semeadura consorciada, entre espécies produtoras de grãos (ex: milho e soja) e capim para formação de pastagem (ex: Brachiaria brizantha e Brachiaria ruzziziensis) o solo permanece protegido, livre de revolvimento pelos implementos agrícolas e coberto com resíduo vegetal praticamente o ano todo. Nesses sistemas, as pastagens melhoram a qualidade física do solo, devido ao sistema radicular vigoroso, fasciculado e de rápido estabelecimento, diminuindo o risco de compactação do solo.

Na integração, após a colheita do grão, que acontece geralmente entre os meses de março a maio, o capim que foi semeado em consorcio irá se desenvolver e, após 60 dias aproximadamente da colheita, o produtor terá pastagem nova, de altíssima qualidade, no período seco do ano. É neste momento que os animais entram para pastejar as áreas que, até então, havia só lavoura. Será que o pastejo animal prejudica essas áreas de lavouras ??

Estudos têm mostrado pequenas alterações na densidade e na porosidade do solo em sistemas integrados, mas que não prejudicam o crescimento das raízes das plantas cultivadas. Os efeitos do pisoteio animal se concentra nas camadas superficiais do solo, geralmente de 0-5 cm, e pode ser minimizado por meio do manejo adequado da taxa de lotação animal, altura de pastejo da pastagem e massa de forragem. É importante lembrar que nesses sistemas o período que o animal permanece na área de lavoura é temporário, em geral de 3 a 5 meses. A taxa de lotação deve ser leve, em torno de 2,5 UA/ha, pois a pastagem consorciada ainda está em formação com baixa quantidade de massa de forragem, em torno de 3 toneladas/ha.

Em pesquisa recente, sob minha coordenação e conduzida no Instituto de Zootecnia/APTA/SAA em Sertãozinho (apoio Fapesp 2014/24514-6),  os animais permaneceram em lotação contínua, durante um ano e meio, após a colheita do milho e não foram constatados alterações nas propriedades físicas do solo. No estudo, foram comparados áreas somente de agricultura (milho grão) com Integração Lavoura Pecuária (milho grão + recria de bovinos). Os valores médios obtidos na área foram de 1,25 g/cm3 para densidade; 13% macroporosidade e 39% para microporosidade. As leituras de RMSP no mês de março 2017, após intenso pastejo realizado por bovinos da raça Caracu (8,22 UA/ha) durante o período das águas (dezembro a março), mostraram valores semelhantes de RMSP (em média 2,6 Mpa) em as áreas de Agricultura e ILP.

Portanto, o pastejo dos bovinos em áreas de lavouras não prejudica o solo, desde que seja realizado o manejo adequado. Como vantagem, os dejetos deixados pelos animais nessas áreas ainda aumentam a ciclagem de nutrientes e, ao longo dos anos, com a adoção dos sistemas integrados, a necessidade de fertilizantes passa a ser cada vez menor.

*As opiniões expressas nos artigos não necessariamente refletem a posição do Portal DBO.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on skype
Skype
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on email
Email
Share on pocket
Pocket

Veja também:

Sobre o autor

Menu
Fechar Menu
×
×

Carrinho