Menu
Menu

O verdadeiro bife Kobe: Você pode estar sendo enganado

Nos EUA, há muita desinformação em relação à famosa iguaria japonesa, relata especialista norte-americano

Em artigo publicado nesta quinta-feira no portal meatingplace, o norte-americano Gregory Bloom, um especialista em carne bovina de qualidade, relata a desinformação atual de muitos consumidores norte-americanos em relação ao bife de Wagyu, oriundo da raça japonesa reconhecida mundialmente pelo seu sabor, consistência e pelo alto marmoreio (teor de gordura entremeada).

Bloom sugere que muitos consumidores norte-americanos estão comprando “gato por lebre” nos restaurantes que dispõem de cortes de carne Wagyu em seus cardápios. Ou seja, o consumidor pensa ter escolhido um autêntico “Kobe Beef”, mas na verdade simplesmente degustou “um delicioso bife de carne norte-americana” oriundo da cruza de animais Wagyu com outras raças, sobretudo Angus.

No Brasil, ocorre situação parecida em algumas churrascarias: há pontos de venda que oferecerem aos clientes a “deliciosa e macia carne Angus”, quando na verdade trata-se de um produto oriundo da cruza entre essa raça taurina com animais zebuínos (principalmente Nelore).

“Assim como o Champagne deve vir da França e a Tequila do México, a autêntica carne de Kobe deve vir da província de Hyogo, no Japão”, escreve Bloom, citando o local de origem dessa iguaria japonesa. Ele conta que, recentemente, um amigo norte-americano compartilhou a sua grande empolgação por ter desfrutado, no dia de seu aniversário, “um ótimo bife de Kobe” em uma churrascaria no centro de Los Angeles, pagando US$ 60 pelo corte. “Creio que meu amigo realmente tenha degustado um ótimo bife de Wagyu, mas não teria vindo à mesa um autêntico Kobe japonês por um preço de apenas US$ 60”, disse.

Pelo incrível marmoreio, sabor inigualável e por sua raridade, continua Bloom, a autêntica carne Kobe exige o pagamento de preços extremamente altos; “mais de US$ 250 por bife”, dependendo do seu grau – a classificação da carne vai de A1 a A5, sendo A1 a nota mais baixa e A5 a mais alta. “Como a carne Wagyu ganhou muita popularidade na última década, tem sido notável ver o desentendimento e a desinformação sobre essa iguaria entre os consumidores dos Estados Unidos”, enfatiza.

Nos EUA, diz o especialista, a carne rotulada como Wagyu deve ter uma genética Wagyu de 46,8% ou mais. A maioria da carne de Wagyu vendida nos EUA vem do cruzamento com Angus, Hereford ou outras raças. “A carne rotulada como “American Style Kobe Beef” não é a autêntica Kobe, mas sim a genética Wagyu cruzada com outras raças para obter o marmoreio superior”, reforça.

Segundo Bloom, a verdadeira carne de Kobe é de Wagyu da linhagem Tajima, oriunda do rebanho da província de Hyogo, no Japão. “No mercado japonês, a classificação Wagyu começa no nível da nossa carne USDA- Prime e sobe a partir daí. Nós não temos um sistema padronizado de classificação para o Wagyu Beef, então muitas empresas desenvolveram seu próprio sistema de classificação, o que levou a muita confusão entre chefes de cozinha (e pessoas que vendem esse tipo de carne)”, avalia.

O especialista conta que, certa vez, visitou uma fazenda de gado Wagyu no Japão.  O dono da propriedade disse que a genética do seu rebanho veio de animais que foram selecionados ao longo do tempo para características como: bons trabalhadores nos campos; temperamento fácil e calmo; facilidade de parto; conformação e alta qualidade de carne. “O proprietário me disse que o Wagyu é a única raça que quase nunca para de marmorear, criando uma carne cremosa, deliciosa e saudável”, relata.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on skype
Skype
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on email
Email
Share on tumblr
Tumblr
Share on print
Print

Veja também:

[banner-link-364-x-134-home-geral1]

Sustentabilidade é isso aí…

Hélio Casale destaca os esforços do agricultor na busca pela sustentabilidade e os principais temas abordados no 3º Fórum de Agricultura Sustentável

[banner-link-364-x-134-home-geral2]

[banner-link-364-x-134-home-geral3]

SOBRE A MÍDIA DBO

A DBO Editores Associados, fundada em junho de 1982, sempre se caracterizou como empresa jornalística totalmente focada na agropecuária. Seu primeiro e principal título é a Revista DBO, publicação líder no segmento da pecuária de corte. O Portal DBO é uma plataforma digital com as principais notícias e conteúdo técnico dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da cobertura dos leilões de todo o Brasil.

ANUNCIE DBO

Acompanhe aqui o vídeo da edição mais recente da Revista DBO. Para ver os destaques das outras edições, basta clicar aqui.

ASSINE A REVISTA DBO

Revista DBO Ligue grátis: 0800 110618 (Segunda a sexta, das 08h00 às 18h00)

2018 DBO - Todos os direitos reservados

×
×

Carrinho