Menu
Menu

Observação de cio ou IATF? Conheça as estratégias

Com a finalidade de verificar a eficiência reprodutiva, o principal índice a ser avaliado é a taxa de prenhez

Por: José Luiz Moraes Vasconcelos

Para a minha vaca ficar prenhe, preciso detectar o cio e inseminá-la. Isso é lógico, mas muitas vezes não vemos os animais no cio e consequentemente não os inseminamos. Um programa reprodutivo de sucesso é essencial para a lucratividade na atividade. O desempenho satisfatório neste quesito aumenta a produção de leite por dia de intervalo entre partos, proporciona maior crescimento do rebanho e velocidade no melhoramento genético. Nas últimas décadas, a fertilidade de vacas leiteiras tem diminuído, fato possivelmente relacionado com a maior produção da matéria-prima e os desafios inerentes a este aumento. Além disso, há seleção de reprodutores com menor mérito genético para fertilidade (taxa de prenhez das filhas). A detecção de cio também se reduz na média, em razão de mudanças fisiológicas das vacas modernas, bem como a fatores de manejo, mão de obra e sistemas de produção, que podem reduzir a expressão e a detecção do cio. Para amenizar o efeito dessa situação, estratégias de manejo têm sido adotadas em rebanhos leiteiros.

Com a finalidade de verificar a eficiência reprodutiva, o principal índice a ser avaliado é a taxa de prenhez. Calculada a cada 21 dias, ela é definida pela taxa de serviço (número de animais inseminados dividido pelo de animais aptos) e pela taxa de concepção (número de animais que emprenharam divididos pelo número de animais inseminados). Multiplicando a taxa de serviço pela de concepção obtemos a taxa de prenhez, a qual representa a velocidade com que as vacas estão emprenhando. Para melhorar a eficiência reprodutiva, deve-se aumentar a taxa de prenhez e, para isso, os índices de serviço e de concepção.

Quanto à taxa de serviço, devemos atuar no momento em que as vacas recebem a primeira inseminação após o período voluntário de espera. Esse período pode variar entre fazendas e raça de animais. Geralmente em rebanhos Holandeses gira em torno de 60 dias pós-parto e, em vacas mestiças, em torno de 40 dias. Após este prazo, a vaca deve ser inseminada rapidamente, pois, se o procedimento não ocorrer nos primeiros 21 dias após, a taxa de serviço diminui. Além do momento da primeira inseminação, o intervalo entre elas é outro fator importante. Em resumo, para obter as melhores taxas de prenhez deve-se atuar tanto no momento da primeira inseminação quanto no intervalo entre elas. Neste caso é preciso, ainda, fazer protocolos de sincronização de ovulação, ou inseminação artificial em tempo fixo (IATF), que permite inseminar todas as vacas aptas rapidamente após o período voluntário de espera.

Algumas fazendas utilizam apenas a observação de estro para a primeira inseminação após o período voluntário de espera. Geralmente realizam a observação visual diária duas vezes por dia (manhã e tarde). Deste modo, os animais observados em cio pela manhã são inseminados no mesmo dia à tarde, e aqueles aptos à tarde são inseminados na manhã do dia seguinte. No entanto, essa estratégia depende da eficiência da detecção de estro (cio), que geralmente é menor que 50%, podendo melhorar quando se utilizam estratégias como marcações nos animais e pedômetros. Em torno de 30% das vacas no pós-parto estão em anestro (ausência de cio) e estas não são detectadas em estro no período voluntário de espera, pois não apresentam estro até retornar à ciclicidade. Ou seja, mesmo se a fazenda tiver 100% de eficiência em detectar estro, apenas 70% das vacas serão inseminadas. Assim, como citado acima, uma estratégia interessante para garantir maior eficiência é a utilização de IATF, que permite programar o momento da primeira inseminação em 100% dos animais, independentemente de estarem ciclando ou não.

É importante que se tenha boa taxa de detecção de estro das vacas após a inseminação. O ciclo estral dura aproximadamente 21 dias, ou seja, se ela não emprenha após a inseminação, manifestará estro novamente neste período. O intervalo entre as inseminações indica a eficiência da detecção de cio, e quanto mais próximo de 21 dias, melhor será a taxa de serviço. Fazendas que utilizam apenas IATF e não observam cio geralmente têm intervalo entre inseminações de aproximadamente 42 dias, e quando o diagnóstico de gestação é realizado com 31 dias, 100% dos animais aptos recebem IATF aos 42 dias, conseguindo uma taxa de serviço de 50%. Em fazendas que fazem IATF + observação de cio, o intervalo entre as inseminações geralmente é menor que 42 dias, o que representa taxas de serviço superiores a 50%.

Entre as ferramentas auxiliares para detecção de estro, destacam-se a marcação dos animais e pedômetros. A marcação dos animais pode ser realizada com bastão de cera ou adesivos. Quando há remoção da tinta no animal ou do adesivo, é indicativo de que a vaca aceitou a monta e deve ser inseminada. Para essa estratégia deve-se empregar uma rotina para marcação dos animais e observação. Já os pedômetros monitoram a atividade física do animal e se baseiam no aumento relativo de atividade, levando em consideração os sinais secundários de cio (inquietação).

Alem da taxa de serviço, deve-se avaliar a taxa de concepção, que depende de vários fatores, como genética, ambiente, conforto, nutrição, qualidade dos ingredientes utilizados na dieta, fertilidade do sêmen, eficiência do inseminador, saúde da vaca, doenças pós-parto, entre outros. Isso mostra que é mais fácil aumentar a prenhez pelo aumento da taxa de serviço do que pela de concepção. A utilização de protocolos de IATF mais eficientes (os protocolos são diferentes, com produtos diferentes, que influenciam de forma positiva ou negativa a concepção) pode aumentar da taxa de concepção, pois tem controle do desenvolvimento folicular, do cio e da ovulação, o que favorece a manutenção da gestação e a concepção. Estudos recentes que utilizaram IATF associada com a marcação dos animais (bastão de cera) e pedômetro para detectar a expressão de cio no protocolo observaram que as vacas que apresentaram o cio ao protocolo de IATF tiveram maior concepção que as vacas não detectadas.

Em conclusão, para aumentar a taxa de serviço na primeira inseminação, a utilização de protocolos de IATF é a estratégia que permite a maior eficiência, pois permite a inseminação de 100% dos animais, mesmo que não estejam ciclando. Após a primeira inseminação, é importante a detecção de cio de retorno. Existem protocolos que apresentam maior prenhez, e deve-se utilizar estes protocolos, pois emprenham mais vacas e se tornam mais baratos por fêmea gestante. Não esqueçam de que a vaca, para produzir, tem que parir e, para parir, tem que emprenhar. Quanto mais rápido este processo, mais leite se obtém.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on skype
Skype
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on email
Email
Share on tumblr
Tumblr
Share on print
Print

Veja também:

Sudeste Asiático: que mercado é esse?

Coluna do Scot: Exportações brasileiras de carnes para essa região crescem rapidamente. De cinco anos para cá, as exportações de frango, carne bovina e de carne suína cresceram 32%.

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.

SOBRE A MÍDIA DBO

A DBO Editores Associados, fundada em junho de 1982, sempre se caracterizou como empresa jornalística totalmente focada na agropecuária. Seu primeiro e principal título é a Revista DBO, publicação líder no segmento da pecuária de corte. O Portal DBO é uma plataforma digital com as principais notícias e conteúdo técnico dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da cobertura dos leilões de todo o Brasil.

ANUNCIE DBO

Acompanhe aqui o vídeo da edição mais recente da Revista DBO. Para ver os destaques das outras edições, basta clicar aqui.

ASSINE A REVISTA DBO

Revista DBO Ligue grátis: 0800 110618 (Segunda a sexta, das 08h00 às 18h00)

2018 DBO - Todos os direitos reservados

×

Carrinho