Oferta de fretes do agronegócio registra alta de 84% no 3º trimestre de 2020

Estudo da FreteBras aponta aumento de 171% na oferta de fretes do setor na região Sudeste entre o segundo e o terceiro trimestres deste ano
Foto: AFP

A oferta de fretes do agronegócio aumentou 84% no terceiro trimestre ante igual período de 2019, aponta estudo da plataforma online de transporte de cargas FreteBras, antecipado com exclusividade. O crescimento ficou atrás apenas do registrado pelo setor de construção civil, de 116% na mesma base de comparação, mas superou o incremento de 79% em produtos industrializados, de acordo com o “Relatório do Setor de Transporte de Cargas do 3º Trimestre de 2020”, da FreteBras.

No agronegócio, além do crescimento na comparação anual, o estudo apontou aumento de 171% na oferta de fretes do setor na região Sudeste entre o segundo e o terceiro trimestres deste ano. Segundo o diretor de Operações da FreteBras, Bruno Hacad, fertilizantes representaram 25% das ofertas de fretes do agro na plataforma de janeiro a setembro.

“A soja e o milho também colaboraram com o setor, graças às safras recordes no ano e ao grande volume de exportação”, disse Hacad, em comunicado.

Ainda conforme a FreteBras, a oferta total de fretes no Brasil cresceu 85% no terceiro trimestre ante igual período do ano passado apesar do cenário econômico desfavorável em virtude da pandemia do novo coronavírus. Ao comparar o desempenho do setor de cargas no decorrer do ano, o relatório indica tendência de retomada, segundo a empresa. De acordo com Hacad, no segundo trimestre, a oferta de fretes caiu 8% em relação ao primeiro trimestre, em especial no mês de abril, com medidas mais rígidas de isolamento social por conta da covid-19. “Porém, vemos agora um crescimento expressivo de aproximadamente 102% na comparação entre o terceiro e o segundo trimestres, o que nos traz boas perspectivas para o setor”, disse o executivo.

Entre os Estados com maior oferta de fretes na plataforma, São Paulo lidera com 25% de participação, impulsionado pelo transporte de máquinas e equipamentos, fertilizantes e alimentos. Em seguida, aparece Minas Gerais (15%), com destaque para o transporte de cimento, siderúrgicos e alimentos. Na terceira posição, está o Paraná, que representa 13% das ofertas de frete, com destaque para o transporte de milho, fertilizantes e alimentos.

Quanto aos portos de destino das ofertas de frete, os destaques são Rio Grande (RS), Rio de Janeiro (RJ), Paranaguá (PR), Santos (SP) e Itaqui, em São Luís (MA). Juntos, esses portos tiveram aumento de 71% na oferta de fretes na comparação do período de janeiro a setembro de 2020 ante igual intervalo de 2019. O Porto de Rio Grande registrou o crescimento mais expressivo (151%), liderado pelo transporte de soja. A oleaginosa, junto com o milho, representou 70% dos fretes em Rio Grande, Paranaguá e Santos, “reforçando o protagonismo do agronegócio na balança comercial do País”, segundo a FreteBras.

O preço médio de fretes aumentou 3% no terceiro trimestre ante igual período de 2019, conforme o levantamento. O Centro-Oeste foi a região com o preço médio mais alto, de R$ 4,79 (cotação do km rodado por eixo), enquanto o Nordeste teve a média mais baixa, de R$ 3,77.

Segundo a plataforma, muitos caminhoneiros iniciaram a busca de fretes pela internet com o distanciamento social causado pela pandemia. “A FreteBras alcançou a marca de 4 milhões de fretes publicados nos primeiros nove meses deste ano, número 60% maior que o registrado no mesmo período do ano passado, totalizando R$ 40 milhões em fretes distribuídos aos caminhoneiros”, disse Hacad.

Os números da pesquisa foram levantados por meio da plataforma da FreteBras que, segundo a empresa, tem mais de 420 mil caminhoneiros cadastrados. A plataforma informa ter mais de 10 mil transportadoras assinantes, que publicam em torno de 600 mil fretes por mês.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Sou pecuarista e esse frigorífico é meu

Leia a Revista DBO que encerra o ano de 2020. Ela conta a mais nova façanha da Cooperaliança, a primeira cooperativa a verticalizar a cadeia da carne bovina, além de trazer outras 25 reportagens e artigos.

Sou pecuarista e esse frigorífico é meu

Leia a Revista DBO que encerra o ano de 2020. Ela conta a mais nova façanha da Cooperaliança, a primeira cooperativa a verticalizar a cadeia da carne bovina, além de trazer outras 25 reportagens e artigos.

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.