[full-banner-1170-x-134-home-geral1]

Olhar de “Big Brother” sobre a oferta de forragem

Com auxílio de programa de computador que analisa imagens de satélite, fazendas vêm maximizando resultados no manejo de pastejo

Sara Matos, com garrotes na Fazenda Vargem Bonita: agora, dimensão exata de onde mudanças podem ser feitas.

Por Moacir José

O gerente da fazenda está no piquete, olha o capim alto, e diz para o vaqueiro: “Bota mais 20 garrotes aqui”. Decisão acertada? Em parte. Se, em vez do olho ou da régua para medir a altura do capim, o gerente contasse com uma imagem de satélite e um relatório detalhado da oferta de forragem da fazenda, saberia que poderia colocar 30 garrotes, em vez de 20. Assim, não desperdiçaria matéria-prima.

Pois essa já é uma realidade de um grupo de 50 fazendas localizadas em oito Estados brasileiros e no vizinho Paraguai, atendidas pela consultoria Exagro – Excelência em Agronegócios, sediada em Nova Lima, vizinha a Belo Horizonte, MG. A ferramenta é o processamento de imagens de satélite e sua transformação, através de imbricadas equações ‒ todas lastreadas no conhecimento de fisiologia das plantas e dos animais ‒, em relatórios que apontam a produção de forragem, qual a carga animal do momento e se ela está adequada ou não ao objetivo de se maximizar tanto ganho individual dos animais como por área. E pode ser visualizada, através de mapas coloridos, pelo celular.

Os resultados do uso dessa ferramenta de gestão já se fazem notar. Numa dessas fazendas ‒ a Morada Nova, de Inhaúma, região central de Minas Gerais, que faz ciclo completo ‒, a produção de arrobas por hectare passou de 4,7 para 9,7, de um ano (2018) para outro, fazendo a lucratividade por hectare saltar de R$ 76 para R$ 278/ha, sem investimento pesado em sua estrutura, apenas com um manejo de pastejo adequado e uma boa gestão de compra de gado. Em outra ‒ a Fazenda Vargem Bonita, do município de Goiás, região centro-oeste do Estado ‒, o lucro operacional, que foi de R$ 670/ha em 2019, já está em R$ 1.013/ha este ano, também sem grandes intervenções com insumos. Isso, apesar de ela ter registrado queda na produção de arrobas por hectare (9,8 para 6), em função de estar migrando para o sistema de cria-recria.

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Você merece este e todo o rico conteúdo da Revista DBO.
Escolha agora o plano de assinatura que mais lhe convém.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Se já é assinante, entre com sua conta

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no skype
Skype
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no tumblr
Tumblr
Compartilhar no print
Print

Veja também: