Operação apreende uma tonelada de carne sem inspeção em Caxias do Sul

Segundo a investigação do MP-RS, trata-se da venda clandestina de carne de cavalo se passando por carne de gado para hamburguerias da serra gaúcha

Mais de 20 servidores da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), entre fiscais estaduais agropecuários e técnicos agrícolas, participaram na manhã desta quinta-feira (18/11) de operação que apreendeu 526 quilos de carne mal acondicionada e ou sem procedência e 500 quilos de hambúrguer.

Os produtos de origem animal sem inspeção estavam em uma propriedade rural e em uma hamburgueria, em Caxias do Sul.

Conforme investigação do Ministério Público do RS, trata-se da venda clandestina de carne de cavalo se passando por carne de gado para hamburguerias da serra gaúcha.

O grupo comprava cavalos que puxavam carroça, muitos deles já doentes. Depois levavam o equino para abate clandestino em uma chácara e vendiam para um comprador que produzia bifes de hambúrgueres. No estabelecimento, a carne de cavalo era misturada com carnes de outros animais.

Segundo o promotor de Justiça do MP Alcindo Luz Bastos da Silva Filho, eram distribuídos em torno de 800 quilos semanais. “Este volume renderia em torno de 4.500 hamburgueres de carne sem nenhuma inspeção. O consumo deste produto sem procedência oferece sérios riscos à saúde humana”, alerta o fiscal estadual agropecuário Richard Alves, presidente da Afagro.

Foto: André Corrêa

Em situações como esta, também é necessário observar a ausência de bem-estar animal. “Não se sabe de que forma os animais foram tratados e nem se estavam aptos para o abate”, ressalta o servidor.

VEJA TAMBÉM | Fiscalização agropecuária vai contar com uso de drones no Rio Grande do Sul

Outra questão é que, além de ser um crime contra a saúde pública, o abate clandestino é uma fraude, um engano ao consumidor, que pensava estar consumindo carne bovina inspecionada.

Foram cumpridos seis mandados de prisão preventiva e 15 de busca e apreensão. A operação foi coordenada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) – Segurança Alimentar com a participação da Seapdr, do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (CEVS) e da Patrulha Ambiental (Patram) de Caxias do Sul.

Fonte: Ascom Afagro

Compartilhe
WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
Email

Revista DBO | Na vanguarda ambiental

VEJA mais destaques da edição de julho; na capa, Liga do Araguaia entra no “mercado verde”. Alguns produtores já recebem de R$ 250 a R$ 370/ha/ano para manter excedente florestal de pé.

Revista DBO | Na vanguarda ambiental

VEJA mais destaques da edição de julho; na capa, Liga do Araguaia entra no “mercado verde”. Alguns produtores já recebem de R$ 250 a R$ 370/ha/ano para manter excedente florestal de pé.

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.