Os principais motivos para não ERRAR na venda ou compra de gado

Confira os 7 motivos que evidenciam que o gado de reposição passa por um dos momentos mais delicados dos últimos anos

 

Após compilar os dados e conduzir inúmeras reuniões presenciais com pecuaristas, confinadores, corretores, grandes empresas do setor de consultoria e empresas de nutrição animal, resumimos 7 motivos de alerta para o comércio de gado. Confira: 

 

  1. Os juros voltaram a subir nos patamares de 2016 e hoje retornam a 11,75%, segundo o site do Banco Central. Isso encarece o acesso ao crédito e, consequentemente, ao crédito rural, dificultando o custeio para reposição. A fatia de 80% dos produtores que operam com crédito vai pensar 3 vezes antes de fazer alguma movimentação.

 

  1. O dólar sendo cotado por volta de 4,8 reais, segundo o site do Banco Central, pressiona para baixo a arroba de exportação. Já a arroba do mercado interno segue em queda depois de meses de uma estabilidade perigosa, pois o consumo nacional está saturado já há algum tempo.

 

  1. O ânimo mal calculado do ano passado sobre o preço exorbitante do bezerro, operando por volta de R$ 3.400,00 a cabeça do animal em algumas praças, segundo o site da LeiloApp, deixou cicatriz em quem sobreviveu nessa batalha, e esse teto dificilmente será visto novamente. Esse fator muito provavelmente se deu pelo aumento sem precedente da arroba, que cresceu desordenadamente, acompanhando o dólar (arroba e dólar andam lado a lado). 

 

  1. Com o (a) bezerro (a) em alta, a retenção de matriz pode ter ocorrido e acreditamos, de forma estimada, que a oferta de bezerro (a) seja maior que a do ano passado, bem como de vacas prenhes e paridas.

 

  1. Um outro fator, porém, regional, é que aqui no MS o avanço das florestas das indústrias de celulose está em plena expansão, intensificando o excesso de oferta de gado de reposição no mercado, uma vez que as fazendas entram em liquidação de gado para entregar a terra para arrendamento. 

 

  1. Os seguidos anos de seca intensa em diversas regiões do país estão colaborando ainda mais para a pressão negativa do preço. O desespero por liberação de pasto e a ausência de arrendamentos prejudica tanto a venda quanto a compra, porém aquele que ainda tem estrutura nutricional para receber novos animais consegue excelentes negócios nesse momento. 

 

  1. E por último, porém não menos importante, os insumos (grãos em geral e equipamentos), estão cada vez mais caros, pois com o massacre (não enxergamos como guerra) da Rússia sobre a Ucrânia, o Brasil passou a ter ainda mais relevância como o grande gerador de commodities agrícolas e, independente da oscilação do dólar, o preço dos insumos não vai abaixar.

 
A mensagem clara que estamos deixando aos pecuaristas da venda é que, ao receber uma proposta justa a preço de mercado e que seja firme, pense muito bem antes de recusar, isso pelos próximos 3 meses! E para você que está buscando a compra nesse mesmo período, fique atento e não compre na emoção. 

 

Para mais informações sobre os valores oferecidos a cada animal no mercado, entre já em contato com a LeiloApp: (067) 9 9215-7068 ou através do site da LeiloApp

 

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

As apostas são altas para o futuro da produção de carne no Brasil. Veja o que dizem as lideranças ouvidas para o Especial Perspectivas 2021 do Anuário DBO. Assista:

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.