OUÇA 🎧 | “O caos pode estar se instalando de novo”, afirma pecuarista de São Paulo

O Portal DBO ouviu os depoimentos de recriadores e confinadores sobre quais são seus planos para enfrentar a escalada de preços dos insumos

Antes do final do ano, o pecuarista estava até otimista com uma tendência de custos em baixa, mas, ao que tudo indica o cenário se inverteu, e este ano de 2022 ainda promete custos elevados na produção de carne bovina.

O milho, por exemplo, ingrediente essencial para terminação de animais em confinamento, vem seguindo em ritmo de escalada de valorização desde novembro do ano passado. Naquele mês o grão chegou a R$ 82,34 (18/11/2021) por saca de 60 quilos, segundo o Cepea. Na quarta-feira, 19/1, a saca estava em R$ 97,70, uma alta de 18,7% em 62 dias.

 

Foto: DBO

“Eu estava bastante confiante de que os custos de produção fossem baixar, mas hoje percebo que o caos pode estar se instalando de novo”, diz o produtor Neto Sartor, dono do confinamento Maximus Feedlot, no município de Sabino (SP).

Confira na íntegra o depoimento de Neto Sartor, do Maximus Feedlot

Além de Neto, o Portal DBO ouviu outros três pecuaristas de recria e engorda, sobre quais os seus planos para enfrentar a escalada de preços dos insumos: Vitor Alves, da NA Agropecuária, no município de Montanha (ES); Thiago Companhoni de Witt, da fazenda JS Companhoni, no município de Amambaí (MS); e Sérgio Pedrossian Cortada Abrantes, da Fazenda Nova Campina, em Jaraguari (MS).

Espírito Santo

Para o pecuarista Vitor Alves, a forma de economizar com os custos é não pensar muito alto na terminação de bois e apostar numa gestão diferenciada na fazenda.

Foto: Renato Villela

“É um ano de muita instabilidade e ainda o Covid preocupa. Ano passado tivemos uma ‘pseudo’ vaca louca que nos trouxe um grande aprendizado em travas de mercado”, diz Vitor.

Confira na íntegra o depoimento de Vitor Alves, da NA Agropecuária

 

Mato Grosso do Sul

Para o zootecnista Thiago Companhoni de Witt e o sócio, seu irmão, Rodrigo Companhoni de Witt, da fazenda JS Companhoni, no município de Amambaí (MS), o foco será na intensificação do pasto como forma de amenizar os custos de alimentação do rebanho.

Os irmãos Thiago (à frente) e Rodrigo Companhoni de Witt (Foto: Arquivo pessoal)

“Sobre o planejamento para 2022 e as tendências, acredito que está bem claro a elevação dos custos de produção com o dólar nos patamares de quase R$6,00. Insumos como fertilizantes e grãos estão impactando cada vez mais no custo final. Nossa estratégia para este ano é apostar na intensificação de pastagens para produção de carne”, diz Thiago.

Os pecuaristas planejam suplementar categorias com índices menores de Proteína Verdadeira (PV) na entressafra.

VEJA TAMBÉM | MERCADO PECUÁRIO | Chuvas e estiagens mais severas mexem com os mercados pecuários pelo País; vídeo

A PV compõe a Proteína Bruta (PB) das fontes de alimentos, junto com o nitrogênio não proteico (NNP) e a proteína ligada à fibra detergente ácido (PIDA).

“Vamos trabalhar na recuperação adubação e formação de novas pastagens que suportem mais carga animal e que eleve nossa produção de arrobas por hectare por ano a pasto e reduzindo nossos custos com terminação com grãos. Vamos acompanhar o mercado e suas variações, pois, além de tudo, estamos em um ano eleitoral e que nos trazem muitas incertezas o que virá pela frente tanto na nossa atividade quanto em outras áreas”, explica Thiago.

Já o conterrâneo de Thiago, o pecuarista Sérgio Pedrossian Cortada Abrantes, da Fazenda Nova Campina, em Jaraguari (MS), também está na toada de melhor manejo com o pasto para melhorar o custo de terminação.

Foto: Divulgação/Nova Campina

“O ano começou com patamares altos. O preço da ureia está alto. O preço do fosfato está alto. O milho sinaliza para um preço alto. No nosso caso, isso requer muito planejamento para 2022”, diz Sérgio.

Confira na íntegra o depoimento de Sérgio Abrantes, da Nova Campina

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Revista DBO | Ele quer todo gado na sombra

VEJA os destaques da edição de maio e o Especial Instalações e Equipamentos; na capa, a Agropastoril Campanelli investe em cobertura metálica dos currais e comprova ganho de mais de meia arroba por animal engordado na sombra

Revista DBO | Ele quer todo gado na sombra

VEJA os destaques da edição de maio e o Especial Instalações e Equipamentos; na capa, a Agropastoril Campanelli investe em cobertura metálica dos currais e comprova ganho de mais de meia arroba por animal engordado na sombra

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.