Para ampliar pauta halal, Brasil precisa promover imagem

Essa foi uma das conclusões do painel ‘Agronegócio: Brasil e seu protagonismo no mercado halal’, durante o primeiro dia do fórum Global Halal Brazil

Abrir novos mercados não basta para ampliar a pauta exportadora de itens halal do Brasil.

A opinião é do ministro Alexandre Peña Ghisleni, diretor do Departamento de Agronegócio no Ministério de Relações Exteriores.

Ele participou do fórum de negócios Global Halal Brazil, que começou nesta segunda-feira (6).

O evento tem promoção da Câmara de Comércio Árabe Brasileira e a Federação das Associações Muçulmanas do Brasil (Fambras Halal), com patrocínio da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

Durante o painel ‘Agronegócio: Brasil e seu protagonismo no mercado halal’ Ghisleni frisou que não basta permitir a exportação, mas sim dar condições para que ela aconteça. “Promoção do agronegócio é o que procuramos incentivar, no sentido mais tradicional de participação de feiras, mas também com promoção da imagem, articulação entre setor privado e público. Esse é um pouco o desafio que temos. Não só do Itamaraty, mas de governo”, pontuou.

O ministro pontuou que o trabalho deve ser feito em conjunto, como vem sendo desenvolvido com a Apex-Brasil, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) do Brasil, e setor privado.

SAIBA MAIS | Mercado: Brasil é o maior exportador de comida halal no mundo

Nos dados atuais, o agronegócio segue tendo papel central para alavancar as exportações de itens halal, especialmente para os países da Organização para Cooperação Islâmica (OCI).

“O agro representa 70% do que o Brasil exporta para OCI. Hoje, há essa concentração da pauta exportadora. Mas há espaço para ampliar mercado nos países islâmicos. Não tenho dúvidas que esse contingente de consumidores halal tende a crescer nos próximos anos”, apontou Flávio Bettarello, secretário-adjunto de Comércio e Relações Internacionais do Mapa.

Tamer Mansour, secretário-geral da Câmara Árabe, também participou do debate.

“Observo o painel do agronegócio como uma coisa nova depois desses dois anos de pandemia. Estávamos muito contentes com o que o Brasil exportava aos árabes. Mas a pandemia também nos ensinou que existem outras oportunidades e que nós podemos agregar valor. Não existe uma fórmula”, declarou Mansour.

Nesse sentido, o moderador do painel, Mohamad Orra Mourad, vice-presidente de Relações Internacionais da Câmara Árabe, lembrou do potencial de compra do público que consome halal.

“Hoje, 65% da população islâmica está disposta a pagar mais por um produto feito de forma ética. E tem também a migração de não muçulmanos para o consumo halal”, afirmou Mourad.

O fórum ocorre até esta quarta-feira (8) com o patrocínio da Apex-Brasil, BRF, Pantanal Trading, Portonave e a Iceport. Ele pode ser acompanhado pelo site do evento mediante inscrição prévia ou pelo canal da Câmara Árabe no YouTube. Há tradução simultânea para o inglês e o português.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

No embalo do mercado

Confira os destaques da edição de dezembro; na capa, fazenda da BRPec Agropecuária, com mais de 130 mil ha no MS, trocou o ciclo completo pela cria, mas mantém estrutura para virar a chave se o cenário mudar

No embalo do mercado

Confira os destaques da edição de dezembro; na capa, fazenda da BRPec Agropecuária, com mais de 130 mil ha no MS, trocou o ciclo completo pela cria, mas mantém estrutura para virar a chave se o cenário mudar

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.