Previsão de nova safra recorde não garante preços baixos

Para analista do IBGE, os preços da soja e do milho dependerão de fatores externos, como a disputa entre Estados Unidos e China, e da demanda asiática por grãos

A expectativa de mais uma safra recorde de grãos em 2020 não garante preços baixos nos alimentos, afirmou Carlos Alfredo Guedes, analista da Coordenação de Agropecuária do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo o pesquisador, os preços da soja e do milho, dois principais produtos brasileiros, dependerão de fatores externos, como a disputa entre Estados Unidos e China, e da demanda asiática por grãos. “O grande impacto é cada vez mais soja e milho.

No caso da soja, depende muito do mercado internacional. Provavelmente, os preços da soja vão ficar aquecidos este ano, devido a essa queda grande (da safra) nos Estados Unidos. O mercado está esperando essa questão da disputa dos Estados Unidos e China, teve taxação de alguns produtos, e um deles foi a soja”, lembrou Guedes.

Quanto ao milho, o pesquisador contou que a exportação brasileira do grão mais que dobrou em 2019, passando de 19,3 milhões de toneladas de milho exportador de janeiro a novembro de 2018 para 39,1 milhões de toneladas de janeiro a novembro de 2019, um aumento de 102,6%.

“Geralmente, quando a gente aumenta a cultura, o preço cai. Mas como a gente exportou muito, o preço se manteve atraente. Muitos produtores que tiveram prejuízo com a soja conseguiram recuperar com o milho segunda safra. Grande parte dessa explicação é a peste suína que dizimou o rebanho da China. Os países próximos à China aumentaram muito as importações de milho para produzir suíno e frango para o mercado chinês. E dólar (mais valorizado em relação ao real) também deixou mais barato comprar milho aqui dentro do que em outro país”, disse Guedes.

O pesquisador lembrou que os preços da soja e do milho influenciam diretamente os custos da produção de frango, suínos e carne bovina. “Enquanto a produção chinesa de suínos não se estabilizar novamente, não se recuperar, a gente deve estar exportando milho. Em torno de 70% do custo da ração do frango e suínos refere-se ao milho. A soja vai para a ração, mas em porcentual menor”, lembrou.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.