Menu
Menu

Aftosa: Paraná faz a última campanha para o fim da vacinação

Fóruns regionais devem acontecer em seis cidades do estado entre os dias 14 e 23 próximos

O Paraná já tem o reconhecimento do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, de que o Estado tem as condições necessárias para suspender a vacinação e buscar o status de livre sem vacinação. Reconhecimento obtido desde que o Governo local pleiteou que a última campanha de vacinação acontecesse no próximo mês de maio.

Mas o processo exige mudanças, principalmente no trânsito interestadual de animais de produção, a exemplo da proibição do ingresso de animais vacinados no Estado. Nas ações de defesa agropecuária exigidas, o Paraná já tem se aprimorado há muitos anos: fiscalização dentro das propriedades, no trânsito animal e nas indústrias do setor de produtos de origem animal, além da realização de diagnósticos importantes para que as ações sejam efetivas e oportunas.

Agora, a solicitação e reconhecimento do status de Área Livre de Febre Aftosa sem Vacinação só acontecerá mesmo depois da realização dos fóruns regionais em vários municípios, onde serão debatidas com entidades do setor agropecuário as ações necessárias para a definição final do Ministério da Agricultura.

Os eventos acontecem nas cidades de Paranavaí – dia 14, Cornélio Procópio – dia 15, Curitiba – dia 16, Guarapuava – dia 21, Pato Branco – dia 22 e Cascavel – dia 23.

Ranking nacional

Segundo o gerente de Saúde Animal da Adapar – Agência de Defesa Agropecuária do Paraná, Rafael Gonçalves Dias, o Paraná ocupa a primeira posição do ranking nacional na produção e exportação de frango de corte e a terceira posição na produção de carne suína. As duas cadeias têm grande importância econômica para o Estado na geração de emprego e renda. A suinocultura, assim como a bovinocultura de corte, tem grande potencial de crescimento com o advento da suspensão da vacina contra febre aftosa, ao agregar valor aos seus produtos.

O serviço oficial do Estado conta com parcerias estabelecidas com a iniciativa privada, universidades do Estado, e sociedade em geral, que sabem sua responsabilidade na troca de informações e apoio para que as ações de defesa agropecuária sejam eficazes. “Um dos principais pilares para um bom serviço de defesa agropecuária é a vigilância passiva, com a notificação por parte de médicos veterinários, responsáveis técnicos, academia, laboratórios e produtores rurais de qualquer suspeita de doença de interesse da defesa sanitária animal de forma rápida”, diz Rafael Gonçalves Dias.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on skype
Skype
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on email
Email
Share on tumblr
Tumblr
Share on print
Print

Veja também:

[banner-link-364-x-134-home-geral1]

[banner-link-364-x-134-home-geral2]

[banner-link-364-x-134-home-geral3]

SOBRE A MÍDIA DBO

A DBO Editores Associados, fundada em junho de 1982, sempre se caracterizou como empresa jornalística totalmente focada na agropecuária. Seu primeiro e principal título é a Revista DBO, publicação líder no segmento da pecuária de corte. O Portal DBO é uma plataforma digital com as principais notícias e conteúdo técnico dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da cobertura dos leilões de todo o Brasil.

ANUNCIE DBO

Acompanhe aqui o vídeo da edição mais recente da Revista DBO. Para ver os destaques das outras edições, basta clicar aqui.

ASSINE A REVISTA DBO

Revista DBO Ligue grátis: 0800 110618 (Segunda a sexta, das 08h00 às 18h00)

2018 DBO - Todos os direitos reservados

×
×

Carrinho