Menu
Menu

Parceria Brasil-Índia vai importar sêmen de búfalos para a Embrapa

A parceria Brasil-Índia vai viabilizar importação de sêmen do programa de melhoramento genético no Pará

Nós próximos meses o Brasil, mais especificamente o estado do Pará, receberá centenas de doses de sêmen de búfalos das raças Murrah e Niili Ravi para a melhoria da qualidade genética dos rebanhos paraenses. Essa foi uma das vitórias do Programa de Melhoramento Genético de Búfalos com Inovação para o Estado do Pará (Promebull), liderado pela Embrapa Amazônia Oriental, após missão a Índia realizada no mês de janeiro.

O relatório e os resultados da missão para cooperação técnica com a Índia, para o manejo e melhoramento da pecuária bubalina leiteira familiar do estado do Pará, ocorrida no início do mês de janeiro, foi apresentado na manhã dessa sexta-feira, 8, na sede da Federação da Agricultura do Estado do Pará (Faepa), para representantes da cadeia bubalina local.

O Pará concentra o maior rebanho bubalino do Brasil, ultrapassando as 600 mil cabeças, conforme dados da Agencia de Defesa Agropecuária do Estado do Pará (Adepará).

+Vendas de sêmen cresceram 14% em 2018, com destaque para corte
+Sérgio Saud comenta avanço no mercado de inseminação em 2018

O pesquisador da Embrapa, Ribamar Marques, líder da missão, explicou que a Índia é berço da bubalinocultura mundial e local de origem da espécie. Ele afirmou que a parceria entre os países vai promover não apenas um salto de qualidade genética aos rebanhos paraenses, mas também o intercâmbio de tecnologias para o benefício de toda a cadeia. “As melhores fêmeas selecionadas entre os criadores parceiros do Promebull no estado serão inseminadas com sêmen de machos superiores vindos da Índia, para gerar filhotes mais produtivos em carne e leite. E os melhores novilhos e novilhas gerados nessa parceria, serão monitorados e também futuros doadores de material genético, garantindo a melhoramento constante dos rebanhos e sustentabilidade do Promebull”, enfatizou o pesquisador.

Um dos destaques do projeto e que garantiu o aceite dos indianos foi o caráter social e de democratização do Promebull no Marajó, uma das mesorregiões que concentram os menores índices de desenvolvimento no país, pois é voltado à pecuária leiteira familiar, chegando desde o pequeno produtor, com poucos animais, até os médios e grandes. “O que determina a parceria é a qualidade da fêmea a ser inseminada e já temos experiências exitosas com produtores em que os rebanhos não chegam a 20 cabeças”, comentou Marques.

Membro da diretoria de uma das parceiras do projeto, a Faepa, o zootecnista Guilherme Minssen, também participou da missão e avaliou a programação como extremamente exitosa. O diretor da Faepa analisa que a parceria Brasil-Índia vai acelerar a expansão da cadeia e que a federação vai atuar juntos aos sindicatos para fortalecer o Promebull em todo o estado.

Projeto responde aos anseios dos pecuaristas

“Essa é uma espera que já dura mais de duas décadas e vai ajudar a mudar a realidade no Marajó”, comemorou o presidente da Associação Paraense de Criadores de Búfalos, Roberto Fonseca. Atualmente, a média de produção de leite no arquipélago gira em torno de 2 litros/dia por vaca e com o melhoramento genético e o manejo correto, poderá chegar até 14 litros, conforme comentou Fonseca. “Vendendo o litro em média a R$ 5, o pequeno pecuarista vai aumentar sua renda, a qualidade de vida de sua família e também injetar dinheiro na região. É uma cadeia de benefícios sociais e econômicos”, prospecta o presidente da associação.

Sobre o Promebull: o Programa de Melhoramento Genético de Búfalos com Inovação para o Estado do Pará (Promebull) é realizado pela Embrapa Amazônia Oriental em parceria com a Federação da Agricultura e Pecuária do Pará (Faepa), e Secretaria de Estado do Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap) tendo como meta a melhoria de índices econômicos de emprego e a renda para a pecuária bubalina leiteira para a agricultura familiar, por meio do melhoramento genético de boas praticas de manejo, alimentação e sanidade. O projeto foi iniciado pela Embrapa em 2015 e em abril de 2018 passou a ser programa de governo após convenio firmado com a Sedap. Desta forma, as ações que eram exclusivas do Marajó, passarão a abranger também as demais regiões do Pará.

Fonte: Embrapa

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on skype
Skype
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on email
Email
Share on tumblr
Tumblr
Share on print
Print

Veja também:

Sudeste Asiático: que mercado é esse?

Coluna do Scot: Exportações brasileiras de carnes para essa região crescem rapidamente. De cinco anos para cá, as exportações de frango, carne bovina e de carne suína cresceram 32%.

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.

SOBRE A MÍDIA DBO

A DBO Editores Associados, fundada em junho de 1982, sempre se caracterizou como empresa jornalística totalmente focada na agropecuária. Seu primeiro e principal título é a Revista DBO, publicação líder no segmento da pecuária de corte. O Portal DBO é uma plataforma digital com as principais notícias e conteúdo técnico dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da cobertura dos leilões de todo o Brasil.

ANUNCIE DBO

Acompanhe aqui o vídeo da edição mais recente da Revista DBO. Para ver os destaques das outras edições, basta clicar aqui.

ASSINE A REVISTA DBO

Revista DBO Ligue grátis: 0800 110618 (Segunda a sexta, das 08h00 às 18h00)

2018 DBO - Todos os direitos reservados

×

Carrinho