[full-banner-1170-x-134-home-geral1]

Pecuária tem muito a ganhar com a adubação de sistema

Em solos com fertilidade construída (com níveis adequados de nutrientes), ela permite uma reposição de forma estratégica e racional

A adubação de sistema é particularmente interessante – e muito promissora – em sistemas de integração lavoura-pecuária.

Por Amanda Posselt Martins (Engenheira Agrônoma, doutora em Ciência do Solo e professora do Departamento de Solos da Faculdade de Agronomia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS.) e Felipe Dalla-zen Bertol (Engenheiro Agrônomo e mestrando do Programa de Pós-Graduação em Ciência do Solo da UFRGS.

A agricultura brasileira teve grandes avanços nos últimos 50 anos. O principal deles foi a mudança do manejo do solo para sistemas conservacionistas, como o plantio direto. A adoção plena desse sistema ‒ com cobertura constante do solo, alto aporte de resíduos e rotação de culturas agrícolas ‒ proporciona menor perda de solo e água, maior acúmulo de matéria orgânica e maior eficiência no uso de insumos, dentre eles os fertilizantes. As menores perdas edáficas e hídricas reduzem o extravio de nutrientes.

Quando os solos alcançam níveis adequados dessas substâncias essenciais à vida, favorecidos também pelo acúmulo de matéria orgânica, não há presença de alumínio fitotóxico e de camada impeditiva ao crescimento radicular. Consideramos, então, que esses solos têm “fertilidade construída”, condição em que deixam de atuar como drenos de nutrientes e passam a ser fontes dos mesmos.

Isso faz com que as plantas ali cultivadas não sejam altamente dependentes da adubação, permitindo o emprego de estratégias diferentes para a nutrição vegetal. Dentre essas estratégias possíveis, temos a “adubação de sistema”, que vem sendo muito discutida no meio agropecuário e se apresenta como uma alternativa para maximizar a eficiência da utilização dos nutrientes. Trata-se de realizar sua reposição de forma estratégica e racional, pensando no sistema de produção como um todo e não apenas na cultura que será imediatamente implantada (como ocorre na adubação tradicional). Isso permite explorar ao máximo a ciclagem de nutrientes que ocorre entre as diferentes fases de um sistema produtivo.

Essa estratégia de adubação é particularmente interessante e muito promissora em sistemas integrados de produção agropecuária, também conhecidos como integração lavoura-pecuária (ILP), especialmente para os nutrientes fósforo (P) e potássio (K). Ao contrário das culturas de grãos, como a soja ‒ que, para uma produção de 70 sacos/ha, retira do solo cerca de 60 kg/ha de P2O5 e 85 kg/ha de K2O ‒, em pastagens, as retiradas de nutrientes pelos bovinos são mínimas: apenas 3 kg/ha de P2O5 e 2 kg/ha de K2O para cada 450 kg de peso vivo/ha.

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Você merece este e todo o rico conteúdo da Revista DBO.
Escolha agora o plano de assinatura que mais lhe convém.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Se já é assinante, entre com sua conta

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no skype
Skype
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no tumblr
Tumblr
Compartilhar no print
Print

Veja também: