“Pecuária vai depender muito da economia doméstica, embora exporte muito”, afirma superintendente da CNA

Para a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil setor continuará crescendo, mas com um imenso desafio para contornar o aumento dos custos dentro da porteira

As estimativas para 2021 são de que produção de carne bovina aumente 6,9% e o volume exportado cresça 5%. A previsão é da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), apresentada na manhã desta terça-feira (1º/12). Analistas e o presidente da entidade, João Martins, falaram sobre o desempenho do agronegócio em 2020 e as perspectivas para o próximo ano. Embora os dados do setor sejam positivos, dentro da porteira o produtor deve enfrentar uma batalha que já está determinada: o custo alto da produção, visto neste ano, deve continuar pressionando o pecuarista. Isso porque, para a entidade, será difícil repassar os aumentos dos preços dos insumos  para o consumidor interno de carne bovina , responsável por mais de 70% do mercado.

  “A pecuária vai depender muito da economia doméstica, embora exporte muito”, afirma Bruno Lucchi, superintendente Técnico da CNA. 

Lucchi coloca como determinantes econômicos para 2021 o enfrentamento do endividamento interno do País, que passou a 96% do PIB neste ano, cenário que exige do governo uma série de medidas. “Nós não sabemos como o governo vai se comportar em relação ao teto de gastos, aos ajustes fiscais, ao orçamento do governo para 2021 que ainda não foi feito e às reformas tributária e administrativa”, diz ele.

Bruno Lucchi, superintendente técnico da CNA. Foto: divulgação

Somente com o poder de compra maior haverá a possibilidade de repasse dos custos no campo e isso depende de crescimento econômico. Que virá, ainda tímido e impactando o setor. De acordo com a CNA, a expectativa de demanda se mostra um pouco superior à oferta, mantendo a pressão positiva nos preços. “Se houver recuperação da economia brasileira e relaxamento das medidas de distanciamento social, com retorno à normalidade das atividades de bares e restaurantes, o aumento na renda do consumidor brasileiro viabilizará o retorno do consumo de proteínas de carnes”, afirma a entidade.

Custos da pecuária

Neste ano, os custos não foram favoráveis ao pecuarista. Os dados apresentados mostram que, em novembro do ano passado, a arroba do boi era vendida a R$ 200, ante R$ 295 em novembro deste ano, um aumento de 40% de aumento. “O bezerro, que é um insumo importantíssimo para vender o boi gordo, saiu de R$ 1,5 mil para R$ 2,5 mil neste ano. Ou seja, 64% de aumento”, diz Lucchi.

No caso do milho, um dos insumos que consegue antecipar o ganho de peso dos animais de confinamento, ou suplementação a pasto, o cereal saiu de R$ 43 a  saca para R$ 80 na praça de São Paulo, o que equivale a 80% de aumento. “O preço da arroba cresceu menos que os insumos que utiliza. Nas relações de troca, de quantas arrobas eu preciso para comprar um bezerro, foi a pior relação de troca dos últimos quatro anos”, diz Lucchi. 

 

 

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Sou pecuarista e esse frigorífico é meu

Leia a Revista DBO que encerra o ano de 2020. Ela conta a mais nova façanha da Cooperaliança, a primeira cooperativa a verticalizar a cadeia da carne bovina, além de trazer outras 25 reportagens e artigos.

Sou pecuarista e esse frigorífico é meu

Leia a Revista DBO que encerra o ano de 2020. Ela conta a mais nova façanha da Cooperaliança, a primeira cooperativa a verticalizar a cadeia da carne bovina, além de trazer outras 25 reportagens e artigos.

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.