Pecuarista deve pensar com a cabeça de um agricultor, diz pesquisador mato-grossense

Confira os destaques do programa “Revista DBO em Foco” que contou com a participação do professor Edicarlos Damacena de Souza, da Universidade Federal de Rondonópolis (UFR), em MT

Se o que o pecuarista busca mais rentabilidade na criação de bovinos, que tal se ele pensasse como um agricultor, quando este faz sua produção de soja? A ideia é provocativa e possui um porquê: boa parte dos pecuaristas – claro que há exceções e elas vêm se avolumando -, ainda são pouco afeitos a questões de planejamento, de olhar um pouco mais para o futuro e antecipar tudo que pode ser antecipado.

“Eu vejo pecuaristas fazendo compras de adubos, agora em fevereiro, para seu programa de adubação de pasto. Por que ele não comprou o adubo em meados de junho do ano passado?”, diz o pesquisador Edicarlos Damacena de Souza, professor da Universidade Federal de Rondonópolis (UFR), em Mato Grosso. Souza é também o vice-diretor da Aliança Sistemas Integrados de Produção Agropecuária (Sipa) e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Sistemas Integrados.

O comentário de Souza foi feito durante o programa Revista DBO em Foco, transmitido ao vivo nesta segunda-feira (22/2). O programa traz sempre convidados que participaram de reportagens e artigos publicados na revista. Souza é o autor do artigo “Lucro maior com lavouras de carne”, no Anuário DBO 2021. Para ele, com um pouco de planejamento, a fazenda de produção de bovinos pode ter grandes resultados.

Gestão bem planejada é o primeiro passo para uma boa safra de lucros na pecuária. Foto: Fabiano Bastos/Embrapa

“Alguns produtores ainda têm a visão de que produzir muito é interessante. Por isso ele deixa o pasto sobrar, porque vai entrar uma época de seca. Mas, na verdade, o que é preciso ser feito é colher eficientemente”, explica Souza.

Seja mais agricultor

Para o pesquisador, essa busca de colher mais eficientemente o pasto começa justamente numa ‘nova’ postura do produtor: ser mais agricultor do que pecuarista, para poder colher mais numa “lavoura de carne”.

O termo “lavoura de carne” faz uma analogia a uma atividade moldada a “cultivar bovinos”, a partir de uma ferramenta chave e que é primordial aos agricultores: planejamento. No exemplo dado por Souza, numa fazenda de grãos, compras “em cima da hora” não podem existir. E assim deve começar um trabalho de uma fazenda.

Além do planejamento, o produtor também deve estruturar o rebanho de forma organizada; dispor de equipe técnica de trabalho qualificada; melhoria da fertilidade do solo; controle de pragas e doenças; e ter uma boa manejo de pastejo em mãos.

Sistema de manejo “rotatínuo” garante o melhor desempeno de engorda a partir do consumo do melhor do pasto pelo gado

“Quando nós falamos do termo ‘lavoura de carne’ é assim como a adoção de um sistema integrado. É uma adoção de tecnologia que precisa ser planejada, desde o planejamento espaço-temporal das áreas, definição de cultivares de forragem e lavouras”, explica Souza.

O melhor o pasto para o boi

Segundo o professor da UFR, o próximo passo para uma boa lavoura de carne está num manejo diferenciado do pasto. Um dos manejos mais recomendados é o “rotatínuo”. O sistema foi tema principal na edição de novembro de 2013 da DBO. A palavra é um neologismo e mistura as palavras ‘rotativo’ e ‘contínuo’.

“Se formos pensar, não houve uma evolução no manejo de pastagens no mundo, nos últimos anos. A maioria dos conceitos dos sistemas de pastoreio sempre levam em consideração a planta e o seu índice de área foliar. Já o pastoreio rotatínuo leva em consideração o comportamento ingestivo dos animais”, explica Souza.

Os animais ficam nos piquetes até comerem a parte mais ‘saborosa’ e mais nutritiva do pasto. Garantindo que os animais só comam o que há de melhor, o desenvolvimento passa a ser melhor. E a recuperação da planta tende a ser mais rápida, fazendo com que  a rotação dos animais, entre os piquetes, seja muito mais contínua.

O manejo que ganhou notoriedade na produção de bovinos no Rio Grande do Sul, ganha mais espaço com melhores definições de cultivares e tipo de animal. Para o produtor lançar a mão dessa ferramenta, no entanto, é preciso planejar. Ser mais agricultor do que pecuarista.

Confira a entrevista da íntegra:

Confira o artigo na íntegra:

 

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

As apostas são altas para o futuro da produção de carne no Brasil. Veja o que dizem as lideranças ouvidas para o Especial Perspectivas 2021 do Anuário DBO. Assista:

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.