Menu
Menu

PIB do agronegócio cai, mas Agrishow acredita em otimismo contagiante

Feira agrícola tem previsão de alcançar R$ 3 bilhões em intenções de negócios até sexta-feira e ser a de melhor faturamento da história

As principais culturas produzidas no país chegam à Agrishow (Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação) em meio a momentos antagônicos, com dúvidas e incertezas de um lado e perspectivas positivas de outro.

A feira agrícola aberta nesta segunda-feira, 29 de abril, em Ribeirão Preto (a 313 km de São Paulo) tem previsão de alcançar R$ 3 bilhões em intenções de negócios até sexta-feira (3) e ser a de melhor faturamento da história. Em 2018, a Agrishow movimentou R$ 2,7 bilhões.

Mas nem tudo vai bem no campo. Enquanto a soja vive bons preços internacionais devido à cotação do dólar (perto de R$ 4) —colheitadeiras de grãos são os produtos mais caros na feira agrícola— e a cana-de-açúcar busca se beneficiar com a subida do preço do barril do petróleo, o café enfrenta o oposto e a laranja ainda não tem real noção de como será o ano.

O otimismo não é geral também porque as expectativas de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) foram revistas para baixo.

O PIB do agronegócio, segundo pesquisas do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, em parceria com a CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil), apresentou ligeira queda de 0,15% em janeiro. A retração esteve ligada ao resultado de -0,6% da pecuária.

“No geral, a perspectiva é favorável. O otimismo contamina, pode trazer boas surpresas [em negócios]”, disse Marcos Fava Neves, docente da USP (Universidade de São Paulo) e da FGV.

A cana, em sua avaliação, pode ter alta nos preços devido ao deficit na produção mundial de açúcar e à subida do preço do barril de petróleo, que na última semana superou os US$ 75 pela primeira vez desde outubro e pode estimular uma safra ainda mais alcooleira no Brasil.

“Pode ter alguma reversão dependendo do balanço mundial de açúcar, da próxima safra, em setembro, mas a chance de migrar passa a ser pequena”, disse Antonio de Padua Rodrigues, diretor técnico da Unica (União da Indústria de Cana-de-Açúcar).

Já o café enfrenta excesso de produção e não há perspectivas de que os preços se recuperem em curto prazo. O preço da saca de 60 quilos, que chegou a ser de R$ 550 no início de anos anteriores, atualmente não chega a R$ 390.

Tanto que, no sábado, 27 de abril, a secretária da Agricultura de Minas Gerais, Ana Maria Soares Valentini, pediu à ministra Teresa Cristina (Agricultura) que ajude o estado a enfrentar a crise no setor.

“Mais de 500 municípios mineiros têm a cafeicultura como principal atividade econômica e os baixos preços de mercado têm colocado nossos produtores, especialmente nossos pequenos produtores, em grande situação de dificuldade econômica. Confio na sensibilidade da nossa querida ministra para nos auxiliar”, disse.

Já a citricultura ainda não sabe ao certo como será 2019 —aguarda a divulgação da previsão de safra do Fundecitrus, em maio—, mas projeta investimentos devido ao retrospecto recente. “O setor deve investir, porque os últimos três anos foram bons para a citricultura”, disse o diretor-executivo da CitrusBR (Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos), Ibiapaba Netto.

A citricultura tem como característica usar tratores pequenos, o que significa que a Agrishow poderá ser importante para quem busca renovar seu parque de máquinas.

Na avaliação de João Carlos Marchesan, presidente da ABIMAQ (Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos), uma das realizadoras da Agrishow, o país vive no geral um momento positivo na economia do agronegócio e isso se refletirá nos negócios da feira.

A Agrishow é realizada em uma área de exposição de 21,5 alqueires, o equivalente a 72,8 campos de futebol padrão Fifa. O evento agrícola projeta reunir mais de 150 mil pessoas, entre eles estrangeiros de 80 países.

Fonte: Folha de S. Paulo, Yahoo & Assessoria.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on skype
Skype
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on email
Email
Share on tumblr
Tumblr
Share on print
Print

Veja também:

Invista no básico bem feito

Pecuaristas, mesmo tecnificados, ainda pecam no manejo por não fazer planejamento, estabelecer metas e criar calendário de ações.

Café com frio

Especialista dá dicas de como evitar problemas com o frio no cafezal, cultura que gosta de “cabeça quente e pés frios”

SOBRE A MÍDIA DBO

A DBO Editores Associados, fundada em junho de 1982, sempre se caracterizou como empresa jornalística totalmente focada na agropecuária. Seu primeiro e principal título é a Revista DBO, publicação líder no segmento da pecuária de corte. O Portal DBO é uma plataforma digital com as principais notícias e conteúdo técnico dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da cobertura dos leilões de todo o Brasil.

ANUNCIE DBO

Acompanhe aqui o vídeo da edição mais recente da Revista DBO. Para ver os destaques das outras edições, basta clicar aqui.

ASSINE A REVISTA DBO

Revista DBO Ligue grátis: 0800 110618 (Segunda a sexta, das 08h00 às 18h00)

2018 DBO - Todos os direitos reservados

×
×

Carrinho