[full-banner-1170-x-134-home-geral1]

Planejamento reprodutivo: a hora é agora! – parte 3

No último artigo da série, o veterinário Rogério Fonseca e a zootecnista Renata Brandão de Góis falam sobre manejo de maternidade e formação de lotes

Fêmeas com bom ECC produzem mais quilos de bezerro.

Por Rogério Fonseca Guimarães Peres – Médico veterinário, com pós-graduação e mestrado em Produção de Ruminantes; e Renata Brandão de Góis – Zootecnista, supervisora de pecuária da Agropecuária Nelore Paranã, e mestranda do programa de pós-graduação em Zootecnia do IF Goiano.

Com o início da estação de nascimentos entre agosto e setembro, o foco na fazenda de cria deve ser direcionado aos manejos de maternidade e à formação dos lotes, tema do último artigo desta série. O número de animais em cada lote varia de acordo com o sistema de criação da propriedade e o tamanho dos pastos. As fêmeas com previsão de parto próximo devem ser encaminhadas para o piquete-maternidade, para facilitar seu acompanhamento pelos funcionários, que devem estar sempre atentos a possíveis complicações no parto.

Caso observem alguma dificuldade da fêmea em parir, é fundamental que busquem orientação do médico veterinário, e caso seja necessária alguma intervenção, esta deve ser feita da melhor forma possível, com o objetivo de salvar a matriz e o bezerro.

VEJA TAMBÉM:
+Planejamento reprodutivo: a hora é agora! – parte 1
+Planejamento reprodutivo: a hora é agora! – parte 2

No manejo de maternidade, são realizados os procedimentos pré-definidos e a identificação dos bezerros, sempre informando, na ficha de registro, sua respectiva mãe e o ECC (escore de condição corporal) ao parto. Lembramos que o ECC reflete o status nutricional do animal, em consequência da disponibilidade de alimento. Ele também influencia diretamente na prenhez à primeira IATF, como comprovado em estudo realizado pelo médico veterinário Rafael Silveira Carvalho.

Quanto aos cuidados com o bezerro é muito importante, que o manejo de maternidade seja realizado com frequência, para diminuir ao máximo a mortalidade de bezerros. Pode-se considerar como aceitável uma taxa de 4%. Quando a propriedade ultrapassa esse índice, precisa prestar maior atenção aos procedimentos realizados na maternidade e ajustar o manejo.

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Você merece este e todo o rico conteúdo da Revista DBO.
Escolha agora o plano de assinatura que mais lhe convém.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Se já é assinante, entre com sua conta

This post is only available to members.
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no skype
Skype
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no tumblr
Tumblr
Compartilhar no print
Print
2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.