Começa a faltar espaço para carne nos terminais portuários da China

Corrida para abastecer o mercado doméstico lota as câmaras frias nos terminais do país

A corrida da China para importar o máximo de carne possível para compensar a queda no fornecimento doméstico, devido aos graves surtos do vírus da peste suína africana, trouxe ao gigante asiático um outro problema: o espaço de armazenamento nas câmaras frias em seus principais portos está se esgotando, segundo reportagem publicada pela Bloomberg.

Essa falta de capacidade de estocagem, relata a agência internacional de notícias, pode limitar as oportunidades para os produtores globais de carne, que vêm trabalhando para fechar acordos de exportação com a China.

A reportagem cita o Reino Unido, a Alemanha, a Rússia e a Índia como exemplos de países que estão procurando vender mais carnes para a China. Também aponta o forte crescimento nos embarques de carne suína e de frango do Brasil ao gigante asiático.

Em maio deste ano, as exportações de carne suína do Brasil para a China aumentaram 51% em relação ao mesmo período do ano passado. Na mesma base de comparação, os embarques brasileiros de frango cresceram 49%.

Os importadores estocam uma grande quantidade de carne – principalmente suína e bovina – em armazenamentos refrigerados em portos como Tianjin, Xangai e Dalian, e agora eles estão quase cheios, disse à Bloomberg Wang Zhen, responsável pelo setor de logística no país.

Segundo Wang, a carne deve ser armazenada nos portos até o final do ano, antecipando a alta temporada de consumo do país. Grandes carregamentos de carnes refrigeradas terão que esperar até que os compradores encontrem lugar de armazenamento, disse.

Os importadores estão tentando mover a carne para o interior para armazená-la, informou Wang. No entanto, pondera, as instalações de armazenamento no interior são apenas para uso temporário, e os custos são mais altos do que os cobrados pelos portos.

A Tianjin Zhongyu Real Estate Co., maior operador de armazéns na área de Tianjin, disse à reportagem da Bloomberg que o espaço para produtos refrigerados em alguns dos principais portos está quase totalmente ocupado. Somente em Tianjin, cerca de meio milhão de toneladas de carne estão em armazenamento refrigerado.

À espera de preços melhores

A maior desova dos carregamentos de carnes entregues à China depende agora do aumento nos preços domésticos da commodity, disse Cao Guoliang, gerente de operações da Zhongyu.

“A maioria dos importadores comprou a carne em março e abril, e é provável que liberem as ações quando tiverem um lucro de 3% a 5%”, afirmou Cao. Os preços atuais não são lucrativos para eles venderem, acrescentou à Bloomberg.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Revista DBO | Monta curta acelera produtividade

CONFIRA os destaques da edição de setembro da Revista DBO e o ‘Especial Genética e Reprodução’; na capa, veja como duas fazendas de ciclo completo se tornaram modelo de ‘fábrica ideal de produção de bois’

Revista DBO | Monta curta acelera produtividade

CONFIRA os destaques da edição de setembro da Revista DBO e o ‘Especial Genética e Reprodução’; na capa, veja como duas fazendas de ciclo completo se tornaram modelo de ‘fábrica ideal de produção de bois’

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.