Preço de fertilizante cai pela 1ª vez no ano, mas segue elevado

Desvalorização do dólar em outubro pressionou os valores nas principais regiões produtoras
Foto: Cepea

A forte desvalorização de 8,3% do dólar frente ao Real em outubro pressionou os valores dos fertilizantes negociados nas principais regiões produtoras de grãos do Cerrado e do Sul do Brasil, que são acompanhadas pelo Projeto Campo Futuro, parceria entre o Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, e a CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil).

Esta foi a primeira queda nos preços desses insumos neste ano. Até então, os fertilizantes vinham registrando consecutivas valorizações, atreladas à greve de caminhoneiros, ao tabelamento dos fretes, à alta do dólar no período eleitoral (o câmbio chegou a ser negociado a R$ 4,10 em setembro/2018) e ao aumento das principais matérias-primas no mercado externo. Nesse sentido, apesar da queda pontual em outubro, os preços médios de insumos agrícolas estão bem acima dos observados no mesmo mês de 2017.

Cerrado – Em Sorriso, MT, os preços médios da tonelada do MAP (Mono-Amônio Fosfato – 11% de N e 45% % P2O5), de R$ 2.448,9/t, caíram 7,4% frente aos de setembro (R$ 2.644,1/t), mas ainda estiveram bem acima (+41,1%) dos de outubro/2017, em termos reais (valores foram corrigidos pelo IGP-DI/ FGV, base setembro/18 = 100). Em Luís Eduardo Magalhães (LEM), BA, o preço médio em outubro foi de R$ 2.268,3/t, desvalorização de 7,9% frente ao mês anterior, mas ainda continua 37,7% mais caro que o de outubro/2017.

Os preços médios do cloreto de potássio (KCl – 60% K2O) foram de R$ 2.039,0/t em Sorriso e de R$ 1.883,5/t em LEM em outubro, recuos de 6,8% e de 6,1%, respectivamente, em relação aos de setembro. Porém, essas médias estão, respectivamente, 32,3% e 45,4%, superiores às de outubro/17 em Sorriso e em LEM, em termos reais.

Quanto à ureia granulada (45% de N), foi negociada, em média, a R$ 2.032/t em Sorriso, sem alteração em relação ao mês anterior, mas 27,7% acima da de outubro/17, em termos reais. Em LEM, o mesmo nitrogenado foi cotado a R$ 1.899/t em outubro, leve queda de 0,5% em relação mês anterior, mas 34,6% superior à média de outubro do ano passado.

SUL – Em Cascavel, PR e em Passo Fundo, RS, os preços médios do MAP foram de R$ 2.440,0/t e de R$ 2.273,3/t, respectivamente, em outubro/18, ligeiras baixas de 0,6% e de 1,8%, em relação ao mês anterior. A média do MAP de outubro/18 em Cascavel, no entanto, está 41,4% acima da observada no mesmo mês de 2017 e 29,9% mais alta em Passo Fundo.

O preço médio da tonelada do KCl foi de R$ 1.813,5 em Cascavel em outubro, 6,8% menor que no mês anterior. Em Passo Fundo, a média foi de R$ 1.818,3/t, leve queda de 0,5% na mesma comparação. Contudo, o insumo nas duas praças está 29,9% mais caro que em outubro/17, em termos reais.

Já o preço médio da ureia em outubro registrou altas de 2,6% em Cascavel e de 0,3% em Passo Fundo em relação ao mês anterior, negociada a R$ 1.911/t e a R$ 1.741/t, respectivamente. Essas médias superam em 37,2% e em 24,5%, respectivamente, as verificadas em outubro de 2017 em Cascavel e em Passo Fundo.

Fonte: Cepea

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.