Preço do leite pago ao produtor cai 4,3% em janeiro

Segundo o Cepea, a cotação chegou a R$ 2,0344 por litro
Foto: Iepec

O preço do leite captado em dezembro de 2020 e pago aos produtores em janeiro de 2021 registrou queda de 4,3% na “Média Brasil”, atingindo R$ 2,0344 o litro. Ainda assim, o valor é 42,6% maior do que o registrado em janeiro de 2020 e representa um novo recorde para este mês. Os cálculos são de pesquisadores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq/USP), divulgados nesta quinta-feira (28/1). A “Média Brasil” considera as bacias leiteiras dos Estados de SP, BA, GO, PR, MG, SC e RS.

De acordo com o centro de estudos da Usp, a desvalorização do leite no campo esteve atrelada à maior pressão dos canais de distribuição junto às indústrias, uma vez que a demanda se enfraqueceu consideravelmente durante dezembro e janeiro. Os pesquisadores apuraram que, diante da instabilidade do consumo, há um esforço das indústrias em ajustar a produção para manter os estoques controlados, de modo a evitar quedas mais bruscas de preços.

Apesar de haver uma perspectiva de queda nos preços do leite no campo em fevereiro e março, espera-se que a média neste primeiro trimestre ultrapasse o valor registrado no mesmo período de 2020, quando foi de R$ 1,4655 o litro, em termos reais (deflacionados pelo IPCA de dezembro/20).

O estudo do Cepea aponta, ainda, que mesmo que os preços do leite estejam em níveis considerados altos para o período do ano, a valorização considerável e contínua dos grãos (principais componentes dos custos de produção da pecuária leiteira) tem comprometido a rentabilidade do produtor e limitado o potencial de crescimento da atividade.

Pesquisas do Cepea mostram que, a relação de troca média em 2020 foi de 34,3 litros de leite para a aquisição de 1 saca de milho de 60 kg, aumento de 21,8% em relação a 2019, quando eram precisos 28,2 litros para realizar a mesma troca. A expectativa para janeiro é que essa relação ultrapasse os 40 litros.

Gráfico 1. Série de preços médios recebidos pelo produtor (líquido), em valores reais (deflacionados pelo IPCA de dezembro/2020). Fonte: Cepea-Esalq/USP.
Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

As apostas são altas para o futuro da produção de carne no Brasil. Veja o que dizem as lideranças ouvidas para o Especial Perspectivas 2021 do Anuário DBO. Assista:

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.