Preço do leite pago ao produtor pode cair até 7% em novembro

Queda em novembro interrompe o movimento de alta que vem sendo verificado desde junho

O preço do leite captado em outubro e pago ao produtor em novembro deve fechar em queda entre 5% e 7% em relação ao mês anterior, interrompendo o movimento de alta que vem sendo verificado desde junho, mostra pesquisa em andamento do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq/USP).

Segundo o Cepea, os valores do leite no campo obedecem a uma tendência sazonal, relacionada à disponibilidade de chuvas e pastagem. No entanto, em 2020, a retomada da produção não tem ocorrido de forma intensa, já que as condições climáticas foram menos favoráveis. Mesmo assim, nas primeira e segunda quinzenas de outubro, houve maior oferta de leite spot (negociado entre indústrias) em Minas Gerais, de modo que a média mensal caiu 16,8% ante setembro/20, indo para R$ 2,23/litro.

Conforme apurou o Cepea, a redução das cotações no campo esteve atrelada à pressão dos canais de distribuição sobre as negociações de lácteos com as indústrias, uma vez que o consumo esteve enfraquecido, em virtude dos altos preços atingidos pelos derivados nos últimos meses. “Como consequência, houve a diminuição dos preços médios de derivados importantes para a formação do preço ao produtor, como leite longa vida (UHT), mussarela e leite em pó em outubro”, informa o Cepea.

As perspectivas para o setor neste fim de ano não são animadores. “A grande dificuldade para o setor neste fim de ano está em equalizar a demanda, sensível aos elevados preços dos lácteos, com a oferta que deve se manter restrita, já que a ocorrência de La Niña deve provocar impacto negativo na atividade leiteira nos próximos meses”, diz o Cepea.

Além disso, de acordo com o centro de estudos, as expressivas altas dos custos de produção nos últimos meses (atreladas, sobretudo, à valorização dos grãos) impossibilitam investimentos na atividade, além de já comprometerem as margens dos produtores, considerando que ocorrem em um momento muito sensível de redução da receita.

Outro agravante para a situação é a valorização da arroba nos últimos meses, que acaba estimulando o abate de fêmeas. “Assim, a produção de leite pode não se recuperar no verão, como em outros anos, o que pode frear o movimento de queda no campo”, conclui o Cepea.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.