Preços da Ceagesp cai 2,6% em fevereiro

Queda foi puxada pelas frutas, cujo preço cedeu 7,29%
Foto: Ceagesp

O índice de preços Ceagesp caiu 2,60% em fevereiro. A queda foi puxada pelas frutas, cujo preço cedeu 7,29%. “Mesmo com o dólar elevado para frutos importados, o setor conta com vários produtos nacionais em plena safra e ótima qualidade, contribuindo para a retração dos preços praticados”, explicou a Ceagesp em nota.

E destacou: “Mesmo com chuvas e temperaturas altas, características desta época do ano, a tendência para o mês de março é de manutenção ou até queda nos preços das frutas, diversos e verduras. Este último já acumula elevação de 42% no ano e terá mais dificuldades para novas altas. Legumes podem sofrer com excesso de chuvas e os produtos mais sensíveis do setor podem apresentar preços elevados.”

Em fevereiro, o setor de verduras apresentou forte alta nos preços, a segunda no ano, por conta do clima quente e de fortes chuvas que arruínam as plantações de folhosas não protegidas”, disse a Ceagesp.

Os setores de legumes, diversos e pescados apresentaram alta, mas, conforme a empresa, insuficiente para uma elevação significativa do Índice.

Nas frutas, as principais reduções foram da pera estrangeira williams (-31,5%), do abacate (-28,4%), da maçã gala (-28,3%) e das laranjas pera (-17,0%) e lima (-16,1%). As principais altas ocorreram com o caju (44,1%), limão taiti (21,4%), manga palmer (20,2%), maracujá doce (17,7%) e manga tommy atkins (17,1%).

O setor de legumes registrou alta de 2,28%. Os principais aumentos foram da vagem macarrão curta (50,9%), pimentões verde (35,7%), amarelo (34,5%) e vermelho (29,1%), beterraba (27,0%) e berinjela (22,0%). As principais baixas se deram nos preços dos tomates achatado (-27,2%) e italiano (-26,5%), da abóbora seca (-18,8%), do tomate caqui (-15,7%) e da abóbora japonesa (-13,8%).

Ainda de acordo com a Ceagesp, o setor de verduras apresentou alta de 16,20%. Os principais aumentos foram da salsa (90,2%), alho-porro (35,3%), couve (35,2%), chicória (33,7%), alface crespa (29,0%) e espinafre (26,2%). As maiores baixas ocorreram nos preços do coentro (-17,6%), do rabanete (-7,8%), do milho verde (-7,1%) e do louro (-2,3%).

O setor de diversos fechou o mês com alta de 1,53%. As principais elevações ficaram por conta da canjica (24,4%), dos ovos vermelhos (16,5%) e brancos (15,8%), da cebola (12,2%) e do alho (8,9%). As principais quedas ocorreram nos preços das batatas lavada (-17,8%) e asterix (-16,8%), do coco seco (-10,3%) e do amendoim com casca (-9,3%).

O setor de pescados apresentou aumento de 2,47%. As principais altas ocorreram nos preços do camarão-ferro (19,2%), da betara (18,6%), do atum (16,1%), da espada (8,3%), da tilápia (6,0%) e da anchova (6,0%). As principais baixas foram cavalinha (-29,8%), da pescada tortinha (-13,9%), do polvo (-11,3%), da abrótea (-11,1%) e da pescada maria-mole (-10,3%).

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.