Em Mato Grosso, preços do boi e da vaca sobem acima de 35%

Forte valorização no acumulado de janeiro a julho deve-se sobretudo ao aquecimento das exportações de carne bovina, diz Imea

Em julho, o boi gordo a prazo subiu 3,4% no Mato Grosso, enquanto que o valor da fêmea teve valorização de 4,4%, fechando o mês com valor médio de R$ 193,32/@ e R$ 182,13/@, respectivamente, informa o Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea).

Ao analisar o movimento do mercado em relação ao mesmo período do ano anterior (em termos nominais), os aumentos são ainda mais expressivos: o boi gordo subiu 36,78% e a vaca gorda, 37,61%, acrescenta o Imea.

Continue a leitura após o anúncio

A menor disponibilidade de animais, intensificada pela retenção de fêmeas, e exportações aquecidas nos últimos meses são os fatores que vêm ditando esse ritmo do mercado, diz o instituto.

No acumulado de janeiro a junho, Mato Grosso exportou 220,18 mil toneladas em equivalente carcaça, o que corresponde a 35,16 mil toneladas a mais que nos seis meses de 2019. Para julho, relata o Imea, os volumes de embarques brasileiros até a quarta semana do mês indicam que continuarão satisfatórios, uma vez que foram embarcadas 136,42 mil toneladas de carne in natura, volume 2,43% superior ao resultado de julho de 2019.

Liderança brasileira 

O relatório divulgado nesta terça-feira pelo Imea chama a atenção para o avanço da liderança do Brasil nas exportações mundiais de carne bovina, conforme dados divulgados recentemente pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).

Os novos dados demonstram que, neste ano, o Brasil poderá exportar 2,55 milhões de toneladas, 50 mil toneladas a mais que o volume estimado no primeiro relatório do USDA. Além de permanecer disparado na frente dos demais países, este montante é 10,2% superior ao resultado de 2019, cenário que sustenta as boas perspectivas para o segundo semestre do ano, destaca o Imea.

Além disso, um dado que chamou a atenção foi a queda das exportações norte-americanas em relação à primeira divulgação: no comparativo entre as duas, o decréscimo foi de 7,75%. Este movimento pode ser explicado pela menor produção ocasionada pela crise da Covid-19, além da menor demanda de importantes compradores da proteína, observa o Imea. “Essa queda também abriu espaço para a Austrália e Índia subirem para o segundo e terceiro lugares, respectivamente, no ranking, mas isso não traz preocupações ante a competitividade brasileira”, relata o Imea. Fonte: Imea

 

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Revista DBO – Saindo na frente

Confira a edição de setembro, que traz o “Especial de Genética e Reprodução” com 7 reportagens exclusivas, além de outras 21 reportagens e análises sobre o mundo da pecuária

Revista DBO – Saindo na frente

Confira a edição de setembro, que traz o “Especial de Genética e Reprodução” com 7 reportagens exclusivas, além de outras 21 reportagens e análises sobre o mundo da pecuária

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Conteúdo original Revista DBO